Despedida de Solteiro!

Não aguentei esperar para postar na ordem dos encontros, então resolvi antecipar esse aqui, aproveitando que o evento ainda está fresquinho na memória de vocês! 😎 Vamos ao começo de tudo!

O noivo da festinha é um cliente meu (recente que ainda irei relatar), e alguns dias após o nosso encontro, me enviou uma mensagem convidando eu e a Manuela Trindade para participarmos da sua despedida de solteiro. Analisamos a proposta com cuidado (nunca havíamos participado de uma) e então aceitamos! 🤗 Depois começamos a tratar os detalhes da festa com seu amigo, um japa muito simpático, que também estaria na despedida.

Passados alguns dias, ele me pediu ajuda para arrumar também uma ruiva e uma oriental (pois teve dois cancelamentos), e foi quando postei o pedido de ajuda no Twitter:

As gps ruivas que vieram na minha cabeça na mesma hora, foram: Melina Artois e Emma Lolli! Resolvi tentar primeiro com a Emma, por termos maior afinidade – já atendemos em dupla algumas vezes, enquanto com a Melina eu só havia trocado algumas mensagens -, e ela topou adiar a extração do dente do siso mais um pouquinho! 😁 Já a GP oriental foi difícil encontrar uma disponível para esta data. E após muita procura, consegui uma mestiça, sendo a Nina Takashi. Educadíssima e muito simpática.  😊

Mais dias se passaram e o japa precisou de mais  três meninas (teve novos cancelamentos). Foi quando chamei uma outra mestiça que tinha ficado em stand-by quando a Takashi aceitou (que não vem ao caso eu dizer quem, já que ela acabou não indo), mais a Nina Bardot e minha amiga Agatha Galluci!

Pouquíssimos minutos depois de eu conseguir essas três, o japa me ligou e explicou que precisava de mais sete!! 😳 Fazendo com que eu me sentisse a top organizadora de eventos rsrs. Foi quando finalmente chamei a Melina ArtoisRenata Paes, Sofia ProençaAnny Ambrósio (amiga da Agatha, iniciante no ramo), e Helena Becker (amiga da Manu, iniciante também). Não consegui as sete como ele pediu, pois nem todas que chamei quiseram, puderam ou me responderam a tempo, mas consegui uma boa parte! 💪🏻

Criei o grupinho no whats e foi uma delícia ver as meninas interagindo umas com as outras, empolgadas com a festa e a possibilidade de nos conhecermos pessoalmente. 💃🏼

As regras eram simples:

  • Não teria suruba, nem sexo grupal; (ufa!)
  • A projeção era de duas meninas para cada homem, ou seja, não seríamos exploradas sexualmente; (ufa de novo!)
  • O evento iria ocorrer numa chácara alugada em Atibaia; (com serviço de traslado e tudo);
  • Seria em torno de 8 rapazes;
  • Teríamos que nos fantasiar com aquelas fantasias de sexy shop.

Enfim chegou o grande dia!

Meu cliente ofereceu de eu ir junto com ele em seu carro, o que acabei topando, levando comigo a Agatha Galluci (que dormiu na minha casa na noite anterior ao evento) e a Manu Trindade. Em paralelo, as demais meninas iriam todas juntas de van, sendo o ponto de partida no queridíssimo hotel Lido rs.

Torci para que todas as meninas fossem, afinal a maioria eu que tinha agitado, e não queria passar vergonha com as minhas indicações rs. A única que desapareceu, sem ao menos cancelar antes, foi uma das que o japa tinha escolhido e pedido para eu chamar, sendo ele o dedo podre na escolha rs.

Após pegarmos a Manu, seguimos então para Atibaia, com aquele trânsito infernal de São Paulo em pleno sábado. Chegamos na casa (que era gigantesca) por volta das 16h. Fomos acomodadas numa suíte com uma imensa cama de casal, guarda roupa de parede e uma sacada que dava para a entrada da casa. Parecia que estávamos numa colônia de férias rs, excursão da escola, ou casa da playboy rs.

Ficamos lá no quarto conversando e separando as coisas que usaríamos mais tarde, até que de repente (após meia hora da nossa chegada) a van que trazia as outras meninas, finalmente chegou! 😍

Ai que empolgação! Eu estava super curiosa para conhecer as Gps que seguia e não fazia a menor ideia de como eram seus rostos! Logo descemos para vê-las de perto. E lá estavam todas as que eu chamei e mais algumas que o japa chamou. E assim como ele fez com a gente, as conduziu para o segundo andar e as acomodaram numa outra suíte um pouco menor (com beliche, cama de solteiro e uma cômoda com espelho), com exceção da Nina Takashi, Helena Becker e Anny Ambrósio que vieram para o mesmo quarto que a gente. 😊

Não deu para conversar com ninguém neste primeiro momento, e depois o japa nos chamou para o segundo quarto também, para que pudesse dar um recado para todas ao mesmo tempo. Falou poucas coisas, mais como um discurso de boas vindas e explicou resumidamente o que poderíamos esperar da festinha. E então pediu que descêssemos para comer algo, sem que precisássemos nos trocar por enquanto.

Fomos então para fora da casa, onde ficava a churrasqueira. Os rapazes já estavam lá bebendo e conversando. Havia bartender (que eram duas mulheres) preparando nossos drinques. Se formaram várias rodinhas de Gps conversando, cada qual com as que mais encontraram afinidade. Todas aproveitamos para conversarmos umas com as outras, um dos melhores momentos do dia. ❤️

Fiquei na mesma rodinha em que estavam a Melina Artois, Nina Bardot, minha amiga Emma Lolli, Anny Ambrósio e Helena Becker. Depois a Anny foi para outra rodinha em que estava a Agatha, e daí a Manu também se juntou a nós.

Me dei super bem com a Melina e a Nina Bardot! Nossa, como adorei elas! ❤️ A Melina parece uma bonequinha! Imaginava seu rosto de um jeito, e conseguiu superar minhas expectativas! Olhos claros, carinha de menina inocente. Lhe dava uns quinze anos!! A Nina é exatamente como eu imaginava! Também muito bonita e estilosa! Como ultimamente temos conversado bastante por aúdio no whatsapp, dava para ter uma boa noção do que esperar dela pessoalmente. Muito gente boa. Ambas são uns amores! Me senti no clube da Luluzinha dentro daquela rodinha rs.

Minha amiga Emma não conhecia ninguém além de mim (até então) mas não teve dificuldades em se enturmar (a essa altura já estava bem enturmada até rs), já que ali os perfis se pareciam muito. A Helena Becker é outra que também me dei super bem, apesar de não ter dado para conversarmos muito. Não houve muita interação com os rapazes neste momento (pelo menos não de todas), já que primeiro estávamos nos familiarizando com nós mesmas.

Após um tempo de “happy hour” aos poucos as meninas foram sumindo, conforme subiam para se trocar. E lá fomos nós! Seis moças (eu, Manu, Agatha, Takashi, Helena e Anny) dentro de um quarto se trocando ao mesmo tempo. Se tivessem câmeras, os rapazes teriam se deliciado rs.

Quando a Nina Takashi tirou seu vestido, não tive como não reparar e elogiar sua lingerie. Que era azul bebê toda delicada e enfeitadinha. Sem contar seu corpo escultural. Substituiu a roupa que estava por uma fantasia de chapeuzinho vermelho.

Anny Ambrósio era outra que tinha um corpo de dar inveja. Siliconada e sarada. Ela estava na dúvida entre as fantasias de odalisca, empregada e marinheira, e lhe ajudamos a optar pela de odalisca, que valorizava muito mais o seu corpo. 😌

Agatha Galluci sofreu para se decidir também, pois havia levado uma fantasia de dama da noite (que mais parecia roupa de balada de tão coberta) esperando que fizesse frio, quando na verdade estávamos todas suando dentro daquele quarto. Acabou decidindo pela fantasia de marinheira, que também valorizava o seu corpo sarado.

Manu se fantasiou de enfermeira sexy, ficando ainda mais linda do que já é; Helena Becker passou um tremendo calor enquanto vestia sua fantasia de comissária rs; E eu, vesti a minha de policial, pronta para prender quem me desobedecesse.

Após algumas de nós já estarmos prontas, aproveitamos o momento para tirarmos fotos enquanto outras terminavam de se arrumar. Depois todas desceram, e calhou de eu ficar para trás, pois estava postando a foto no Twitter. 🤓 Daí quando cheguei na porta da casa e já ia me preparar para descer as escadas até o gramado, meu cliente estava subindo bem nesse momento e estendeu os braços para mim. Eu correspondi no mesmo minuto e quando chegamos perto, demos aquele beijão! 👄

Parecia até que foi combinado de tão sincronizado que foi a cena rs. Depois ele continuou subindo e eu descendo rs. Uns dois rapazes que estavam perto da piscina viram, e começaram a bater palmas enquanto eu descia, complementando com: “Já foi dada a largada?” rsrs.

Enfim me juntei as meninas e já pedi mais uma caipirinha. Agora tínhamos até DJ (que também era mulher) tocando diversos gêneros musicais, que iam de funk a eletrônico. As gps estavam lindas com suas fantasias, pena que não deu para tirar foto com todas, já que não circulávamos com nossos celulares, que ficaram guardados na bolsa.

Da esquerda para a direita: Emma Lolli, Melina Artois, eu, Nina Bardot, Manu Trindade e Sofia Proença.

Novamente fiquei na rodinha com a Nina Bardot, Melina e Helena, e brinquei: “Será que vamos ser escolhidas?!” rsrs. Não demorou muito para que fôssemos. Um rapaz extremamente bêbado de blusa branca, parou entre mim e a Nina, chamando: “Vocês duas“. Achei que ele estivesse falando da Nina e Melina, e perguntei: “Elas duas?” e ele: “Não. Vocês duas”, apontando para mim e para a Melina, que pediu que ele aguardasse, pelo menos até ela pegar o seu drink que já estavam fazendo. Nesse meio tempo meu cliente nos salvou, dizendo que íamos com ele. Daí não entendi se o rapaz de branco estava apenas nos selecionando para o dono da festa, ou se ele foi passado para trás mesmo rs.

A primeira transa

Uma outra Gp foi levada conosco (que até então eu não conhecia), chamada Michele, e enquanto íamos para o quarto com ele, nos demos conta que éramos que nem as Três Espiãs Demais: uma loira, outra morena e uma ruiva rs. Ele queria nos levar para o “seu quarto” (que era aquele maior em que eu e as meninas estávamos quando chegamos), porém, o alertei que para lá seria inviável, pois a cama estava repleta de bolsas e o quarto todo zoneado rs. Ele abortou a missão e nos levou então para um dos quartinhos que tinham ali embaixo mesmo. Quartinho esse que podia ser chamado de forninho. Passamos o maior calor lá dentro (literalmente).

O encaminhamos para o banho (era suíte) e enquanto isso fomos tirando nossos calçados. A Melina revelou que não tinha muita experiência em interagir com outra mulher e por conta disso estava um pouco receosa. Mas falei para não se preocupar que focaríamos só nele. Quando ele veio, encarnei a policial mandona, fiz ele se deitar, e me sentei por cima, algemando seus braços na altura da sua cabeça. Coloquei a Melina para beijá-lo e desci com a morena para chupá-lo. Fiquei no pau e ela nas bolas. 👅

Ficamos algum tempo assim, depois eu subi e a Melina desceu. Depois ele pediu que elas se chupassem, enquanto eu também o chupava. A Michele foi super bacana nessa hora, pois sabendo que a Melina não se sentia confortável interagindo com outra mulher, tomou a iniciativa e rapidamente desceu para a xaninha dela.

Ficamos mais um tempo assim, até que ele disse para mim que queria “ela”, se referindo a Melina. Daí já peguei a camisinha e fui encapando o menino, enquanto a Michele me ajudava, abrindo o sachê de lubrificante. Ela fez o serviço completo e também lubrificou para que a Melina só sentasse. Trabalho em equipe total! Rsrs. Daí me posicionei ao lado da Melina e fiquei sensualizando, passando as mãos pelo corpo dela, para que ele tivesse uma ótima visão enquanto a sentia por dentro. Várias vezes tentei chupar os seios dela ou beijar ele, mas como ambos estavam fazendo movimentos rápidos e bruscos, não deu muito certo rs.

Depois a Melina começou a pegar no pescoço dele e reparei que o safado gostou. Fui na dela e também simulei um enforcamento, ao que os olhos dele se perdiam pulando de mim para ela enlouquecidos. Começou a ficar ainda mais empolgado e nos mostrou que também gostava de tapa na cara. Daí eu e a Melina o estapeamos (uma de cada vez), sem dó. Depois ela abaixou para beijá-lo e fiquei sem ter muito o que fazer rs. Me juntei a Michele e ficamos fazendo carinho nas outras partes do corpo dele. Diversas vezes me sobressaltei com ele dando uns tapões com as mãos juntas na bunda da Melina. “Eita porra” pensei, quando vi o bumbum branco que ela tinha, ficando mais vermelho a cada tapa. 👋🏻

Ficaram um bom tempo transando, até que, de repente, ele disse: “Sua vez” para mim. Ah bom! Achei que fosse me deixar chupando dedo! Rapidamente peguei outra camisinha, tirei a anterior e a Michele eficiente já foi lubrificando para mim também. Comecei bem devagar, pois ele já devia estar quase gozando e muitas vezes pedia para eu ir com calma. Quando eu estava por cima, não deu para as outras meninas interagirem, pois nos beijamos ao mesmo tempo e meus cabelos caíram em volta do seu rosto, lhe tampando a visão do quarto.

Como era de se esperar, comecei a me masturbar, um pouco acanhada no começo com as meninas olhando, mas depois foquei só em nós dois, e consegui gozar gostoso. 😛 Depois acelerei com vontade, e após alguns segundos ele avisou que ia gozar também.  Me senti honrada por ter escolhido gozar comigo. ❤️

Depois que gozou ficou totalmente arriado. Fiquei um tempo lhe fazendo carinho, até que o encorajei a ir tomar outro banho para dar uma acordada, afinal a festa estava só começando! O deixamos se banhando e subimos para o quarto juntas, indo nos arrumar também. Todas estávamos descabeladas, pois além do esforço físico não ventilava no quarto, passamos muito calor.

Peguei minhas coisas no quarto maior, e fui para o outro quarto me arrumar com elas. A Michele se banhou primeiro, depois eu, e por último a Melina. Sempre conversando e dando muita risada entre a gente. A parte ruim é que o chuveiro não esquentava, mas ainda bem que estava calor, então não foi tão sofrido rs. Mais meninas se juntaram a nós nesse meio tempo e demoramos um pouco mais para voltar para a festa, já que conversar com as colegas de trabalho também fazia parte do break. 😎

Quando voltei para a churrasqueira, meu cliente já estava por lá, jogando sinuca com umas três gps e dois caras. Fui ver se tinha algo para comer (depois do esforço físico bate aquela fominha), mas só consegui me sentir atraída por uma salada de maionese. Um senhor que estava apoiado no balcão perto da pia (depois descobri ser o tio do noivo), gentilmente me ajudou, lavando um garfo para mim.

Me juntei a Emma e Sofia, que estavam sentadas ali perto, comi minha salada e pedi outro drink. De repente, os caras estavam na maior agitação perto da piscina e eu a Manu chegamos mais perto para olhar. O alvoroço se deu porque as gps que estavam jogando sinuca com eles perderam a aposta e iam se jogar na piscina. Nossa fiquei feliz de não estar na pele delas, pois a água deveria estar gelada (apesar do calor), sem contar que não seria nada glamuroso ficar nua na frente de todos e estragar a maquiagem com a água rs.

De repente olhei para o lado e vi a Manu no maior beijão com um rapaz de óculos. Fiquei com vontade de tascar o beijo no japa que estava na minha frente também (aquele que eu conversava com frequência sobre os preparativos da festa), mas fiquei sem graça de me insinuar para ele. Sem contar que meu cliente estava perto, e não sei se ficaria chateado. (Não que eu fosse exclusiva de alguém, mas tínhamos acabado de transar, não é mesmo?! Rs.)

A segunda transa 

Dei a sorte de ser com um outro rapaz que também tinha me chamado bastante a atenção durante a festa. Estávamos do lado de fora da casa (numa das entradas que dava para a cozinha) conversando eu, ele, a Manu e o tal rapaz de óculos citado acima. Estava rolando o maior clima e quando a Manu e o de óculos se beijaram novamente, olhei para o loirinho e lhe dei um beijo, que imediatamente foi correspondido.

Ficamos um bom tempo nos beijando com ousadas passadas de mão, cada casal de um lado da parede. Eu e a Manu parecíamos duas amigas que tinham saído da balada cada qual com o seu affair da noite rs. Às vezes eu abria os olhos para ver em que pé estava o casal da frente, e quando vi que os amassos estavam quentes, quis botar o meu para ferver ainda mais! Desci para o pau do loirinho e já comecei a chupar ali mesmo (mulher é mesmo muito competitiva rs).

Depois vi meu cliente chegando com uma GP, se instalando em outra parede próximo de nós. Fiquei curiosa em saber quem era a moça que estava com ele, mas entre uma chupada e outra não consegui indentificar rs. Dali a pouco, o loirinho gostoso chamou: “Vamos para o quarto?”. Era tudo o que eu estava esperando ouvir naquele momento! 😈

Ele estava um pouco bêbado e me pareceu perdido, sem saber em qual quarto poderíamos entrar (os tais quartos ficavam do lado de fora da casa, similar aos de motéis, com as portas enfileiradas). Mostrei um que de longe dava para ver que a porta estava aberta, e pedi que fosse na frente, enquanto eu pegava as camisinhas e o gel lá na mesa.

Quando entrei no quarto escuro, ele estava tomando banho. Rapaz higiênico, gosto assim! 😌 Abri a porta do banheiro, e fiz um charme, dizendo: “Oi… Vim checar se entrei no quarto certo”. Para o meu azar ele entendeu outra coisa, e por um instante quase abortamos a missão. Achou que eu não queria transar com ele e que estava dizendo que ele não era o cara certo. 🤦🏼‍♀️ Em contrapartida, eu também pensei que ele tivesse desistido de transar comigo, quando percebi que a minha frase inicial não tinha surtido o efeito esperado. Uma confusão! Rs.

Felizmente resolvemos o mal entendido, e sim, ambos queriam transar um com o outro. 😋  Ele saiu do banheiro nu e já o agarrei ali na porta. Muitos beijos, desci para seu pau de novo e tratei de deixá-lo duro. Depois ele me encaminhou para a cama e já pediu pela camisinha. Encapamos, gel, veio no ppmm.

Nossa que delícia transar com ele! Pedi que não gozasse rápido, mas ele falou que estava difícil, que eu era muito gostosa e que meus gemidos estavam te dando muito tesão. De repente, ele parou de transar e avisou que ia tomar banho. Não entendi direito o porquê, mas imaginei que fosse para evitar que gozasse rápido, uma vez que o menino amoleceria com a água do chuveiro.

O aguardei na cama, me masturbando, sedenta para gozar com ele dentro de mim. Ele voltou com o menino mole e retomei o oral para endurecê-lo na minha boca. Seu pinto parecia uma montanha russa, ora estava pra cima, ora estava pra baixo, e comecei a ficar frustrada por não conseguir mantê-lo duro por muito tempo.

Enfim consegui encapá-lo e fui por cima, mas a transa não vingou. Para piorar, eu só tinha pegado duas camisinhas, e tive que sair descabelada e descalça que nem uma louca, pra pegar mais lá na mesa da sala. Voltei correndo e já caí de boca de novo. Chupei, chupei e nada. Dessa vez não estava mais conseguindo trazê-lo à vida. 😩 Pior que eu estava super afim, mas pelo jeito tinha buscado mais camisinhas para nada.

Daí ele acabou se dando por vencido e disse que achava que não conseguiria, ainda mais depois de ter gozado. (!!!) Nessa hora me sobressaltei, pois eu não tinha percebido que ele tinha gozado aquela hora! Ele gozou tão quietinho e foi se banhar tão rapidamente, que eu achei que ele só tivesse ido amolecer o menino pra sair da linha de fogo e aguentar mais tempo. Agora se ele já tinha gozado, isso explicava tudo! Imediatamente me senti menos pior, já tinha cumprido a minha missão e agora só restava lhe dar o devido descanso rs.

Ele sugeriu transarmos de novo mais tarde, mas nem levei a sério, pois era óbvio que ele queria pegar todas e não ficar repetindo a mesma rs. Nos vestimos e saímos do quarto juntos. Passamos pela sala e foi inevitável os olhares das Gps que estavam por lá. “Acabamos de transar” estava escrito em nossas testas rs.

A festa estava chegando na reta final. 💔 Faltava pouco para às 23h e o Uber nos buscaria meia noite. Voltei para o encontro das meninas e fiquei conversando com a Manu, enquanto bebericávamos nosso último drink. Vimos o japonês subindo com a Melina, e me diverti com o comentário da Manu: “Ela terá trabalho para fazê-lo gozar, pois ele acabou de gozar comigo!” 😅😅

Meu cliente se aproximou da gente, e deixei escapar que ainda não tinha comido a carne desde a hora que cheguei. Ele mudou de fisionomia na mesma hora, como se aquilo fosse uma grande ofensa à minha pessoa rsrs. Nos explicou que o churrasqueiro desmarcou em cima da hora, e que estavam tendo que se virar entre eles, pedindo desculpas por isso. Que homem educado e gentil! Não nos devia nenhuma satisfação e mesmo assim se preocupava em não causar uma impressão ruim rs. Ainda serviu a carne para nós! ❤️

Quando estávamos subindo para nos trocar, fizemos uma paradinha na cozinha, e ficamos papeando com a Nina Bardot e a Helena, até que mais rapazes foram chegando e entrando na prosa. Eu já estava descalça, com as botas na mão, então não me prolonguei muito, e fui saindo de fininho logo depois da Nina Bardot.

Quando cheguei no quarto, peguei meu celular para ver se o meu colega que faz Uber já tinha chegado e sim, ele já estava lá! Corri para avisar as meninas, porém, não encontrei a Manu! 🤦🏼‍♀️ Fiquei desesperada porque o motorista do Uber já tinha nos alertado que não poderia esperar muito tempo, pois, como já sabíamos, ele teria outra corrida particular logo em seguida.

Ficou visível o desconforto entre todas as meninas (a Emma também ia voltar com a gente) com receio de perdermos o Uber. Fiquei sem entender a razão dela nos deixar na mão… Que vontade de mostrar serviço era aquela quando já tinha passado do horário combinado, quase nos deixando à mercê dos rapazes da festa que não estavam em condições de dirigir? 🤔

Sem contar que o menino do Uber ficaria putissímo de rodar até Atibaia (ele saiu de Guarulhos) para voltar sem as passageiras e o principal: sem o dinheiro combinado para aquela viagem! Pois é, até no final da festinha tinha adrenalina! 😅 Felizmente consegui enrolá-lo até ela aparecer, e após todas recebermos nossos envelopes com o cachê, nos despedimos do pessoal e partimos.

Pedi as meninas, antes que entrássemos no carro, para que não comentassem nada da festa durante o trajeto, pois o menino era um conhecido civil meu e não fazia a menor ideia do que eu fazia. Comentar elas não comentaram, mas soltaram um “Sara” aqui e ali me deixando congelada quando ouvia rs. 😳 Espero que ele não tenha notado… 🤦🏼‍♀️

Dia com o Empenhado!

Nos encontramos por volta das dez da manhã. Lhe abri exceção quanto ao horário de início – apesar de detestar acordar cedo – pois me adiantou que faríamos uma pequena viagem, e que quanto mais cedo caíssemos na estrada, mais tempo poderíamos aproveitar chegando no destino final.

Ele não me revelou muita coisa desse passeio, só disse que era meu presente de aniversário adiantado. E como no ano passado ele fez uma grande surpresa em comemoração a esse meu dia (para lê-lo clique aqui), fiquei bastante apreensiva do que esperar deste outro rs. Já havíamos feito uma pequena viagem para Jundiaí em outro repeteco, mas ao que tudo indicava esse novo passeio seria ainda mais emocionante! E assim como na viagem anterior, entrei em seu carro sem saber para onde estávamos indo, tendo como dica apenas os pequenos enigmas dentro de cada sacola que me entregava ao longo do dia, para que eu descobrisse aos poucos o que iria me acontecer. Juro que até hoje fico abobada em como ele tem paciência e criatividade para bolar tanta coisa legal para mim! 🤗

Daí me entregou a primeira sacola, que continha um papel retângulo com a figura de um casal dançando tango de um lado e com suas palavras escritas do outro. Resumidamente sua carta dizia que o lugar para onde iríamos tinha a ver com o tango, com os alfajores que estavam juntos na mesma sacola, e também com a garrafa de água que eu já havia bebido antes, sem ter lhe dado a devida atenção. Rapidamente a peguei de volta, curiosa em descobrir que dica uma simples garrafa poderia me dar rsrs. E na vedade, ela foi bem mais reveladora de que todo o resto, pois nela estava escrito: “Campos do Jordão” !! 🙀 Fiquei mega eufórica quando descobri, mas confesso que lá no fundinho, uma parte de mim já sabia que era lá, quando ele disse que poderia estar frio rs.

Durante o percurso conversamos bastante, mas também acabei cochilando, por ter saído da cama mais cedo que o habitual. Chegando na entrada da cidade, paramos para que eu tirasse algumas fotos e fiquei mesmo besta com o modelo das casas de lá! Parecia que eu estava em outro país!! 😯

Fomos para um estacionamento e quando ele desligou o carro, um funcionário do lugar avisou que onde paramos caía muito pinho, sugerindo que estacionasse em outro canto. Nessa hora tivemos uma desagradável surpresa, deixando o Empenhado super preocupado, nunca o vi daquele jeito. O carro simplesmente não queria ligar, sem nenhum problema aparente. Pedi que ele se acalmasse, mas era visível a sua preocupação, temeroso que tudo o que havia planejado viesse por água abaixo. Demorou alguns minutos e foi preciso várias tentativas até que o carro finalmente voltasse a vida. Quando ele manobrou e estacionou novamente, quis religar o carro na mesma hora para testar, mas pedi que deixasse isso pra lá e prosseguíssemos com o passeio, pois se o carro não ligasse outra vez, não adiantaria de nada e só estragaria o nosso humor. Então que deixássemos esse possível problema para depois. Sabiamente ele seguiu meu conselho e então fomos andando para o local, que era… um restaurante! 🍽

A caminhada acabou sendo mais longa do que o previsto, pois nos perdemos rs. Paramos para pedir informação a um senhor que estava passando, e esse apesar de solicito, também acabou sendo um pouco deselegante, quando resolveu falar mal do restaurante que íamos, dizendo que era caro demais, podendo não ser lá essas coisas. Segurei o riso nessa hora, pois estava menosprezando a surpresa que havia sido planejada para mim, sem se dar conta rs. Mas o Empenhado soube lhe responder com elegância, dizendo que em datas especiais considerava aceitável certas extravagâncias. Não que o senhor fosse compreender ou concordar com o seu ponto de vista, mas também o que ele tinha que se meter opinando sobre onde iríamos comer?! Rs.

O restaurante em questão se chamava Libertango, localizado no bairro Capivari. Todo decorado no estilo das casas de Tango Argentinas, com  uma culinária inspirada nas Parrillas também Argentinas. Ao contrário do que aquele senhor amargo disse, o atendimento lá foi perfeito a comida também! Deixei que o Empenhado escolhesse os nossos pratos, pois como eu não conhecia, não teria muito o quê opinar rs. Ele escolheu então: “Ojo de Bife”, Arroz com Brocólis e uma “Parrillada de Vegetables” (legumes grelhados). Para beber escolhi a Capirinha de limão de novo e ele um suco de laranja (senão me engano). Junto com a carne, vieram diversos molhos (vinagrete, pimentão pelado, morango com blueberry, barbecue, manga com gengibre e chimichurri) e experimentamos cada um (gostei mais do de morango!). A carne estava deliciosa, apenas os legumes grelhados (mais especificamente o tomate e o pimentão) que estavam com o sabor estranho. Comemos, rimos, conversamos sem a menor pressa e foi tudo muito legal!! 😊

Saindo do restaurante, andamos pelo bairro, rumo ao próximo passeio. No caminho paramos numa lojinha a meu pedido, pra que eu comprasse algumas lembrancinhas. Comprei dois imãs de geladeira lindos (no formato das casas de lá), um enfeite de estante (um cachorrinho de porcelana super fofo) e três chaveiros.

A próxima parada foi andar de teleférico!!! 😍 Que nos levou ao Morro do Elefante. Chegando no alto dele, fomos ao mirante e lá ficamos um bom tempo apreciando a linda vista da cidade e das montanhas. Simplesmente demais!

Morro do Elefante - Campos do Jordão

Depois voltamos ao teleférico, que nos levou de volta às ruas, e novamente passeamos pela região. Quando estávamos quase voltando para o estacionamento, tive vontade de comer fondue, e fizemos um pequeno desvio no percurso. Depois acabamos parando em outra lojinha, onde comprei uma blusa de frio para mim. Enfim entramos no carro e a hora da verdade chegou! 😳 Será que ele estragaria o restante do passeio? 🤔 Felizmente aquele imprevisto não se repetiu e ligou na mesma hora. Ufa, foi só um susto mesmo! Inclusive até hoje ele não sabe o que aconteceu exatamente rsrs.

Daí o Empenhado me entregou a segunda sacola, que continham duas flores e a segunda carta, dessa vez com a imagem de um jardim florido de um lado e do outro algumas dicas, dizendo que o local que estávamos indo tinha uma enorme beleza. Beleza essa que – segundo suas palavras – combinaria demais com a minha rs. 😬 Lhe enchi de palpites tentando adivinhar, até que chegamos no “Parque AmantikirJardins que falam“. E o lugar era mesmo lindo! Diversas flores e vegetações foram usados para fazer um paisagismo fantástico!

Parque Amantikir - casa da arvore

Parque Amantikir

Ele comprou os ingressos lá na hora e passeamos por toda a extensão do parque. Até havia um labirinto, que fiz questão de entrar, cética de que seria impossível nos perdemos ali. Mas me enganei hahaha. O bendito nos roubou uns bons minutos tentando sair dele! 😅

Ficamos cerca de uma hora no parque, e na última parte que exploramos (com cenário oriental), ousei tirar uma foto mais sensual para o blog, já que só havia nós dois por ali! 🙊

Parque Amantikir cenário oriental

Assim que voltamos para o carro, me entregou a terceira e última sacola, que havia mais uma carta (essa já era pessoal) e dois presentes. Sendo: o livro “Atlas de Nuvens” do David Mitchell e um conjunto de calcinha/camisola sensuais.

A última parada seria no Motel Flowers em Jacareí. Dessa vez dormi bastante no caminho, já que anoiteceu e eu estava um pouco cansada, afinal andamos o dia todo e visitamos vários lugares. Mais uma hora de estrada, até que chegamos no local.

Quarto 30. O motel em questão, concordamos que era bem feinho, com um visual cafona e antigo. A porta da garagem sequer era automática, o teto solar em cima da piscina também era manual, fora a própria piscina que tinha um aspecto estranho, não me animei em nada entrar nela rs. Mas é claro que não seriam esses detalhes que estragariam o nosso encontro. Até porque, na verdade o que nos interessava mesmo era a TV, já que além da transa, também assistiríamos um filme! – Chamada de Emergência que eu mesma havia indicado -. 😁

Primeiramente fomos tomar um banho – o chuveiro também demorou uma vida para esquentar rs – e então fomos para a cama, brincar um pouquinho hehe. Começamos a nos beijar, com ele roçando bem gostoso seu pau no meu clitóris. Hummm. Depois desceu para a minha xaninha, distribuindo vários beijos no caminho. Me chupou por um tempo, e então voltou a me beijar, me masturbando com seu pau. Como o tesão estava gritando, logo encapou e veio por cima, no papai e mamãe. Na mesma hora comecei a me masturbar, ao que ele acelerava e intensificava, me fazendo gozar bem gostoso. 😏 Depois trocou para frango assado, e após alguns minutos não resisti e voltei a me masturbar (mas não cheguei a gozar). Daí trocamos de posição de novo, e dessa vez eu que fui por cima. Ele já estava quase gozando, mas antes sugeriu de tirarmos determinada foto e gravarmos tal vídeo, que eu tinha pedido mais cedo, para o blog. O vídeo – que é de apenas um minuto – acabei desistindo de postar por motivos pessoais, mas a foto está aqui! 😜👇🏻

Empenhado

Como já havíamos tirado a camisinha e estava super engajada no oral, ele gozou assim, me avisando antes para que finalizasse nos meus seios. Depois nos banhamos de novo e voltamos para a cama. Ele conectou o USB do celular, que já estava com o arquivo do filme previamente baixado. O gênero era suspense e enquanto o assistíamos, comemos alfajor, e uma porção de salame com azeitonas, que pedimos. 😋

Quando o filme terminou, já era quase meia noite e eu estava começando a ficar com sono. O Empenhado queria transar outra vez, e confesso que fiquei feliz quando ele broxou rs, pois eu já não estava mais com tanto pique (assim como ele, que broxou até mesmo por isso, pois o cansaço acabou se sobressaindo ao tesão). Ele ficou chateado achando que eu ficaria desapontada, mas a verdade é que só me animei de transar de novo porque ele havia feito um oral caprichado, mas no fundo no fundo eu não estava tão afim rs.

Então tomamos outra ducha, arrumamos nossas coisas e caímos na estrada. Eu consegui voltar a dormir no caminho, já ele teve que ficar com o olho bem aberto todo o tempo rs. O encontro acabou sendo de 14 horas! 😯 Dia mais que especial! Muito obrigada por cada minuto!! ❤️

Vista do Parque Amantikir

Cliente 211 – “A Poderosa”

Essa foi a primeira vez que fui contratada apenas para acompanhar! E ainda por cima por outra mulher! Olha que demais! 🤗 Ela havia me contatado um mês antes desse encontro, para pedir informações sobre sexo a três (atendimento à casal), e quando me contatou de novo, achei que fosse para definir a data. Porém os planos haviam mudado, e agora precisava da minha companhia em um evento. Fiquei um pouco apreensiva a princípio, pois nunca havia feito algo assim, mas ela foi super esclarecida e até transferiu o dinheiro antecipadamente! 😯 Além de também ter sido generosa com o cachê, me acertou por duas horas, sendo que o combinado foi só uma hora.

Abri exceção em lhe atender num sábado à noite, e me pegou de carro na Augusta. Foi um pouco confuso para nos encontrarmos, mas quando deu certo e entrei no seu carro, me surpreendi com uma mulher linda de 40 e poucos anos (lhe dava uns 10 a menos). Imediatamente pensei comigo mesma: “Espero chegar nessa idade com toda essa beleza também!”. Era linda, loira, também usava óculos e parecia ser muito inteligente. O percurso durou alguns minutos e conversamos bastante no trajeto.

Quando chegamos no evento, ela estacionou um pouco mais a frente e se trocou dentro do carro. Antes de ir encontrá-la, eu havia lhe perguntado como pretendia se vestir, e fui com uma roupa parecida. Contudo, ela estava trocando para uma ainda mais chique, e comecei a ficar sem graça pela minha roupa. 😅 Ela explicou que achava que não daria tempo de se trocar, mas que eu podia ficar tranquila, pois também estava linda rs. – Eu usava vestido e botinha, enquanto ela um macacão chiquérrimo e saltão. – Demoramos um pouco para sair do carro, pois ela também se maquiou. Eu estava ali, mas até então não entendia o porquê da minha presença ser tão importante.

Quando entramos no local foi que entendi. Ela tinha ido para o evento do paquera, e por motivos pessoais, foi mais seguro me levar como sua “amiga”, do que uma amiga civil mesmo. Não posso dar muitos detalhes a respeito, então não estranhem se a história tiver alguns pulos rs. Comprou um drink para si e perguntou se eu também queria, mas recusei prontamente, não queria lhe dar gastos. E então fomos para onde ele estava! O rapaz estava muito ocupado com o evento então não lhe deu muita atenção nesse momento. Daí procurei distraí-la falando sobre filmes, músicas e afins. Após um tempo de conversa, ela voltou a me oferecer um drink e dessa vez aceitei. 😬

Depois ele conseguiu dar uma escapada e veio nos cumprimentar. Conversaram brevemente e ela me garantiu que ele não sabia quem eu era rsrs. Conforme eu fui bebendo, fui ficando mais alegrinha e fiz valer o cachê a mais que ela pagou, fiquei pelas duas horas mesmo, sem fazer nenhum esforço. O evento estava agradável e repleto de gente bonita! Sério, não consegui encontrar uma pessoa feia naquele lugar! Rsrs. E o papo com ela fluía naturalmente, parecíamos mesmo duas amigas. 😊

Perto de irmos embora, ele voltou a conversar com ela, e dessa vez por bastante tempo. Quis lhes dar privacidade, e fiquei mexendo no celular quando não estava bebendo. Às vezes quando os olhava, ele direcionava a conversa à mim também, como se eu estivesse por dentro do assunto kkkkk, mas a música estava alta e eu não estava tão próxima deles, então só mexia a cabeça afirmativamente, quando na verdade não estava entendendo nada kkkkk.

Depois ela gentilmente chamou um táxi para mim, e acertou a minha viagem de volta até em casa. Definitivamente esse foi o trabalho mais sossegado que eu já tive. Pena que não é sempre assim! 😬

The Week (Depois)

TAXI

Após entrarmos no táxi, começamos a conversar sobre a nossa noite incrível. Daí perguntei para os meninos, o que eles tinham achado das meninas. O R – apesar de ter reparado que as unhas do pé da B não estavam pintadas rsrs -, só disse elogios; Já o D criticou a N, dizendo que pela sua foto do perfil no face, ela parecia uma modelo, e pessoalmente não era nada daquilo. Claro que gosto cada um tem o seu, mas o D estava sendo crítico demais, pois não se referia ao fato dela ser bonita ou feia, mas sim ao seu peso. Falei para ele que estava sendo preconceituoso e que ele também era gordinho (e era mesmo). Imagina que coisa hilária, um gordinho falando mal de outro por também ser gordinho, aquilo não tinha nexo! O R riu da minha sinceridade, e por um momento achei que o D fosse ficar ofendido, mas daí ele disse: “Sim, eu sei disso! Mas não fico mostrando uma coisa que não sou”. Como assim gente? Ele estava se baseando só pela foto do perfil, qualquer um que visse as outras fotos dela, veria que não era tão magra assim, suas coxas eram bem grossas, típicas de uma mulher com mais corpo.

Não me aprofundei muito nesse assunto, pois logo lembrei de algo muito mais importante: “Gente, cadê a cinta da N????” Perguntei alarmada, e imediatamente o R também ficou preocupado. Nos viramos para o D (afinal foi ele que retirou nossas coisas na chapelaria). Ele estava boiando pois nem sabia da existência da cinta (não sei mesmo em que mundo ele estava durante a balada rs), e disse: “Não sei de cinta nenhuma, a mulher só me entregou isso”. Daí o R caiu em si, e lembrou que quando foi levar, a moça disse que não iria abrir a sacola para colocar junto com as nossas coisas, mas que ia deixar em cima. Então quando o D foi retirar, a moça deve ter achado que não era nosso por não estar dentro, e como ele também não disse nada, adeus cinta! “Puts, e agora??!” exclamei preocupada. Daí o R, desencanado como sempre, falou:  “Relaxa! Elas compram outra! O que é uma cinta pra elas?!” E como as meninas são super bem de vida (a B até tem carro), acabei me tranquilizando.

Ahh mas não foi só isso que deixamos para trás não. Lembram na primeira parte da história, quando eu disse que perdemos algo que estava dentro da minha bolsinha? Pois então, ainda viriam mais catástrofes!

Quando chegamos na estação de metrô em que pegamos mais um ônibus, eu e o R fomos para um lado da estação, e o D para o outro. Daí o R comentou que queria comprar uma água de coco, e paramos para eu pegar seu dinheiro na minha bolsinha. Daí bem nesse momento, meu celular começou a tocar, e como eu estava super atrapalhada procurando o dinheiro, a pessoa que estava ligando preferiu vir ao nosso encontro, que era o D.  “Minha chave!”, ele disse enquanto se aproximava, tirando o celular do ouvido, me lembrando que estava comigo.  Procurei na bolsa e lhe entreguei.

Assim que ele foi embora, o R percebeu que após eu lhe entregar a chave, não restou mais nenhuma na minha bolsa. “E a minha, cadê???”  😳  Ele perguntou desesperado. Puts! Revirei aquela bolsinha mais de cinco vezes, como se ela fosse uma bolsa gigante com muitos bolsos escondidos, e nada, nem sinal de outra chave! Procurei no bolso da minha jaqueta, e nada também, nela só havia meu fone e a minha chave de casa. “Não acredito que você perdeu minha chave de casa” 😖 se lamentava, o R. Tanto eu, quanto ele, já estávamos sonhando com o momento em que chegaríamos em sua casa e nos deitaríamos para  descansar, e sem as chaves, parecia ainda mais desesperador não podermos fazer o que planejávamos.

chaveiro

Enquanto esperávamos a condução, pensamos em soluções! O que faríamos sem poder entrar na casa dele? Sua mãe estava viajando e também falaria um monte de merda, se soubesse que ele perdeu a chave numa balada. Sem contar que estávamos cansados, não queríamos ter que lidar com uma situação daquelas naquele momento. Falei de irmos para a minha casa, mas por minha mãe estar em casa, o R não quis, já que não teríamos nenhum tipo de privacidade.

Lembramos que há um chaveiro perto da nossa casa, e quando chegamos fomos direto lá. Eles cobrariam R$60 para abrir a porta, e depois fariam o orçamento da cópia da chave. A moça falou o valor com pesar, como se até ela achasse caro demais. O R disse que tudo bem, e perguntou se já poderiam ir com a gente naquele momento. Nos responderam que sim, mas depois voltaram atrás, alegando que a peça usada para destrancar a porta, não estava lá. Explicaram que teriam que ligar para tal pessoa, pedindo que fosse lá levar. Também foram vagos quanto ao tempo, o R tentava arrancar deles um horário preciso para irem na sua casa, mas eles diziam que dependia dessa outra pessoa levar a peça. Aff, que porcaria de pós-balada.

Novamente falei ao R para esperarmos na minha casa, mas ele estava irredutível, disse que queria a sua casa, a sua cama, e etc. Lembrou que sua vizinha tinha uma cópia da chave do portão (a mesma usa sua garagem para guardar o carro), então falou que conseguiríamos entrar, daí ficaríamos no quintal conversando, até o chaveiro chegar. Particularmente achei que seria bem mais confortável esperarmos na minha casa, mas como ele não concordou com a minha sugestão, não o deixaria sozinho nessa, até porque eu que perdi a chave, né? Falei então para passarmos na minha casa só para eu tirar aquelas botas e colocar um chinelo. Ele topou. Minha mãe achou que eu estava bêbada, e era melhor que pensasse isso do que saber a verdade rs. Realmente não seria legal ficarmos na minha casa com ela nos enchendo de perguntas.

Como uma grande brincadeira de mau gosto do destino, sua vizinha não estava em casa (para variar né), segundo seu filho, ela tinha ido ao mercado. Legal. O R não aguentou esperar até que ela voltasse e deu um jeito de pular o portão. Eu também pulo o portão da minha casa quando necessário, mas para mim era impossível pular o da casa dele rsrs, então fiquei esperando do lado de fora, enquanto ele tentava de várias formas abrir a corrente e o cadeado, sem sucesso.

Demorou cerca de trinta minutos para sua vizinha voltar, e me senti uma sem teto esperando todo aquele tempo do lado de fora rs; O chaveiro demorou ainda mais para vir. O R pediu para eu ligar lá questionando, mas, quem disse que eu achava o papel com o telefone?? Rsrs. Desconfiava tê-lo esquecido dentro do bolso da minha jaqueta, em casa.

Mandei mensagem para uma amiga nossa que morava praticamente do lado do tal chaveiro, perguntando se poderia nos ajudar, pedindo que fosse lá e pegasse o número de telefone, de novo para a gente. Ela nos respondeu que estava acabando de acordar, mas que nos ajudaria sim, toda solicita. Disse que levaria apenas alguns minutos para se trocar e escovar os dentes. Acreditem ou não, a queridinha demorou mais de uma hora para nos responder com o número de telefone!

Vendo que a menina não respondia e que os minutos estavam passando, o R decidiu que voltaria no chaveiro. Eu não fui com ele, pois me dava preguiça só de imaginar o percurso rs (e quem andou à noite toda de salto fui eu). Fiquei deitada num tapete pegando sol, enquanto ele foi e voltou.

Assim como eu, o R ainda estava fritando, e voltou com a maior cara de louco, dizendo para eu ligar em outro chaveiro, pois naquele não iriam resolver nada. Ainda contou que reclamou com eles, pois sequer nos ligaram para dar alguma satisfação da demora. Em sua defesa, eles disseram que não estavam conseguindo contato com a pessoa que estava com a tal peça, estando assim impossibilitados de nos atender.

Daí foi nesse momento que a queridinha nos respondeu com o número de telefone. 😒 Quase a respondi com um: “Se fosse pra morrer já teríamos morrido” mas o R me interceptou, dizendo: “Só diz pra ela que obrigado e tá bom”. Como podem ver, ele é bem mais sensato do que eu rs.

Pesquisei na internet e liguei em outro chaveiro. Na verdade eu liguei em um mercado que eu sabia que havia serviço de chaveiro do lado, perguntando humildemente se eles poderiam nos passar o telefone do chaveiro. A moça, muito simpática, pediu para eu aguardar, pois desconfiava ter o número anotado em alguma parte da sua agenda. Fiquei uns bons minutos esperando, e enquanto isso o R estava inquieto naquele quintal, tentando de várias maneiras entrar dentro de casa.

Ele conseguiu escalar até o andar de cima (sua casa é um sobrado), e deu muita, mas muita sorte, de uma das janelas de cima (justo a que ficava do lado da porta) estar destrancada! Daí ele abriu a janela, enfiou o braço e conseguiu pegar a chave que estava na porta. Primeiro ele tentou girá-la, mas como não conseguiu, a puxou (com muito sacrifício para que não escorregasse entre seus dedos) e então abriu por fora!

Seu quintal tem uma parte coberta, então não consegui ver o que ele tinha aprontado, só ouvi ele gritando feliz que tinha conseguido, descendo as escadas eufórico, me desafiando a adivinhar qual foi sua proeza rs. Quando a menina voltou comigo em linha, no mesmo momento o R abriu a janela da sala por dentro, para que eu pulasse. Daí, antes que ela me passasse o número, a interrompi, lhe agradecendo e dizendo que não precisava mais, pois tínhamos dado um jeito. Ela grosseiramente mudou seu tom, como se não tivesse gostado nada de eu tê-la feito procurar por um número que simplesmente não precisava mais. Sei o que você deve estar pensando, que eu poderia fingir que estava anotando e tal, mas vejam pelo meu lado, ela também me deixou um tempão na linha enquanto meus créditos iam embora, então se foi em vão para ela, para mim também tinha sido! Rsrs.

O R ficou todo feliz e satisfeito, por não ter sido preciso gastar dinheiro com isso. Quando sua mãe chegasse, lhe diria que não estava encontrando a sua chave, ela deixaria a dela, ele tiraria uma cópia rapidamente, e pronto, tudo estava resolvido!

Deitamos e relaxamos, ufa, agora sim dava para descansar! Lembram  lá na primeira parte (The Week – Antes), quando eu disse que fiquei super desgostosa por ter de ir para a balada com um brinco sem graça? Nesse momento em que relaxávamos, passei os dedos pela minha orelha e percebi que havia perdido um dos brincos também!  “Você tá perdendo tudo hein?! Mas veja pelo lado bom, ainda bem que você não foi com o brinco novo afinal, senão já teria perdido!” Avaliou o R no final das contas, e ele tinha razão rs.

Cerca de meia hora depois de termos entrado em casa, me ligaram do chaveiro (aquele perto de casa que estavam sem a peça), perguntando se o chaveiro poderia ir hahahaha. Falei: “Não precisa mais minha querida, demos um jeito aqui”, e assim que desliguei, o R finalizou: “Otários,  perderam R$60”.

Essa questão estava resolvida. Mas tinha uma outra pendente:

Print WhatsApp

Aquela cinta era bem mais importante do que imaginávamos!

Print whatsapp

Esse assunto rendeu até o dia seguinte, as meninas estavam desesperadas.

Print whatsapp

Print whasapp

Por sorte a cinta ainda estava lá! Ufa, já tava achando que ia sobrar pra eu comprar uma nova. 😓 Nunca subestime a cinta de alguém! Rsrs.

The Week (Durante)

The Week por dentro

Parte externa da The Week / São Paulo

Entramos e o R encarnou o guia turístico, mostrando o lugar para as meninas. Andávamos todos juntos, exceto o nosso amigo T, que com seus dois amigos, se perderam da gente por um tempo.

A The Week é composta por três pistas – sendo que uma é privada para quem fica no camarote -. Das outras duas (as que tivemos acesso), temos a pista secundária (menor, mais sem graça); e a pista principal, que contém palco, iluminação mais moderna, e ainda nos privilegia com a visão do  camarote acima; Todas as pistas possuem bar. Tem também a parte externa (essa da foto acima), que apesar de não ser pista de dança, é bastante frequentada, pelo maior espaço de locomoção (já que a maioria das pessoas estão nas pistas) e maior ventilação, devido ao céu aberto.  Mas só um adendo, peço que não se prendam a imagem ilustrada, pois o local passou por algumas modificações, sendo uma delas a cobertura – mas ainda assim dá para ver a claridade do dia, quando amanhece -.

Atrás desse bar que estão vendo no canto esquerdo da foto, há dois banheiros unissex (enormes, mas que sempre estão lotados); do lado esquerdo, a entrada para a pista principal (através dela também temos acesso a outra pista); do lado direito do bar, mais no fundo, temos a entrada para o “Dark Room” (espaço reservado para os casais terem maior privacidade) e o “Fumódromo”, com alguns assentos, estilo bancos de praça, sabe? Também vive lotado.

Mas voltando ao bar, em cima do seu balcão, tem uma bandeja cheia de maçãs, fornecidas pelo estabelecimento como cortesia; e quando o R falou delas, indicando com as mãos, para que as meninas vissem, a B reagiu de um jeito engraçado, que nunca irei esquecer rsrs, ela riu e bateu palma, dizendo: “Hahaha maçãs!”, sem entender o real motivo delas estarem alí rs.

Quando levamos as meninas no banheiro para conhecerem, ao verem o grande espelho, elas já quiseram tirar fotos (foi nessa hora que me dei conta, de como tinha sido bom eu ter pintado as unhas, pois ficaram em destaque na pose rs). Durante esse momento, um rapaz gay que devia já estar muito louco, se entrosou com a gente, dizendo que éramos lindos e que queria aparecer na nossa foto rs. Não nos importamos com a sua intromissão alegre, e até postamos a foto com um estranho nela rs. Ele demorou um pouco para ir embora (mesmo depois da foto), pois estava todo festeiro, querendo fazer amizades e falando para o adicionarmos no facebook rs; até que seus amigos vieram buscá-lo.

Depois disso, a N disse que queria ir no banheiro (já estávamos ali mesmo, né?), e quando ela voltou, nos revelou a existência de uma cinta. Na verdade, a B que foi falar com o R, se não tinha como guardar a cinta com as nossas coisas na chapelaria. Eu peguei a conversa pela metade, daí quando perguntei o que estava havendo, a  B explicou: “É que a N veio com uma cinta, só que está machucando a barriga dela, então ela tirou. Não tem como guardar com as coisas de vocês?” Na verdade não tinha, pois a moça da chapelaria enfatizou bem, que não deixaria pegar, nem colocar mais nada, uma vez que já estivesse lá. Mas como o R tem bastante lábia e já conseguiu dobrar a mulher outras vezes,  tentou dessa vez também, e felizmente deu certo! Após resolvermos essa questão, fomos para o bar, pegarmos umas biritinhas! 😛

O D foi o primeiro a pedir, e foi logo de “Sex On The Beach”. Eu nunca tinha bebido essas bebidas de nome chique, então esperei vir a dele, e após provar (e aprovar), pedi o mesmo, assim como o R. As meninas disseram que iam esperar mais um pouco, mas que depois iam querer tequila.

Daí foi nesse momento, em que já estávamos em posse das nossas bebidas, que eu, o R e o D (as minhas amigas não quiseram) entramos juntos na mesma cabine de um banheiro, para tomarmos uma balinha (ecstasy) cada um. Essa era a terceira vez que eu usava (as outras duas foram na The Week também), e peço que não me julguem, quem nunca?

Em mim, a bala demorou cerca de meia hora para bater, já estava dando até um medinho de não ser da boa, e termos gastado dinheiro atoa rs. Fomos para a pista principal depois de tomá-la, e ficamos dançando, ainda sóbrios.

Pista principal The Week

Pista principal, The Week / São Paulo

Reparem nesses quadradinhos no chão, da foto ilustrada acima. Eu os chamo de mini palcos e são de livre acesso, para qualquer um que queira dançar em cima deles. Subimos nós cinco juntos em determinado momento, ao que eu reparava com espanto, a B e a N tirarem suas sandálias para subir, será que estavam com medo de cair? Rs. Diz o R que nessa hora deu selinho nas duas, mas eu nem percebi rs. Após um tempo ali em cima, nos sentindo as estrelas da noite (pois quem está embaixo sempre acaba olhando para quem está em cima), descemos e continuamos dançando com o resto do povo. Daí ressurgiu o T com seus dois amigos, e se juntaram a nós. Agora sim o grupo estava completo! 😃

Toda hora, ficávamos perguntando um para o outro se a bala tinha batido, o que era hilário, pois quando bate, a pessoa do lado percebe rs, seu semblante fica mais alegre, você começa a dançar ainda mais animado, não tem como não saber rsrs. A do R bateu primeiro. Quando perguntei para o D se a dele também tinha batido e ele respondeu que sim, quase não acreditei, pois ele não mudou em nada! Hahaha (ele era mesmo uma exceção), continuava dançando sério e as vezes até cruzava os braços! Imagina que uó alguém dançando assim?! 😅Eu ia lá, descruzava os braços dele e falava pra ele parar de dançar daquele jeito, onde já se viu?! Rs.

Quando finalmente a bala bateu em mim, estávamos em frente ao bar da parte externa, para as meninas pegarem a tequila delas. Não tem como explicar a sensação exata de quando bate, você simplesmente SABE que bateu rs. De repente você sente a batida da música de um jeito diferente, mais intenso, mais gostoso. Se você está entediado (que foi o meu caso na segunda vez que fomos para a The Week), quando a bala faz efeito, seu pé começa a formigar e você não consegue mais ficar parado; ou se você já estava animado (que foi o meu caso dessa e da primeira vez que usei) então você fica ainda mais disposto! Disposto a dançar, conversar, se divertir. Eu que já sou bastante comunicativa, sempre disparava a conversar com pessoas que eu nem conhecia, quando meus amigos não estavam por perto (igual aquele carinha do banheiro rs), e o legal é que ninguém ali te julga ou acha ruim, pois estão todos na mesma vibe.

Felizmente, dessa vez eu não precisei puxar papo com ninguém estranho rs, pois além de estarmos em um grupo maior, eu e o R também éramos meio que o centro das atenções, pois as minhas amigas se dirigiam mais a nós (já que não tinham tanta intimidade com o resto do grupo), assim como o D, que com aquele jeito quieto, não se entrosava com mais ninguém.

Quando bateu, coincidentemente começou a tocar “This Is What You Came For” (remixado) do Calvin Harris com a Rihanna! Não poderia ter sido mais perfeito! 😊 Eu queria muito voltar para a pista, mas o R queria fumar, então esperamos a música acabar e após as meninas pegaram suas bebidas, fomos para o fumódromo e ocupamos um banco inteiro. Coincidentemente, a B acabou sentando do meu lado, e aproveitei para colocarmos o papo em dia. Comecei perguntando sobre seu namoro de quatro anos, que tinha acabado há alguns dias (eu ainda não sabia o motivo do término, então aproveitei para perguntar). Como eu estava sob o efeito da bala, não lembro muito bem das coisas que ela falou, mas parece que o ex tinha pedido um tempo, e depois ela descobriu algo sobre outra menina. Ouvindo aquilo, parecia até que era mentira, pois a B é muitoo, muitoo linda, digo com sinceridade que até mais do que eu, então não conseguia imaginar uma mulher como ela, levando um pé na bunda de alguém. 🤔 Não pude obter mais detalhes do ocorrido, pois o R já tinha terminado e fomos para a segunda pista, que as meninas ainda não tinham conhecido. Nós não ficávamos parados muito tempo no mesmo lugar, e como a segunda pista nem era tão legal, voltamos para a principal, onde agora sim, ficamos por um tempo.

Nesse momento, enquanto dançávamos, o R perguntou se podia me beijar. 💋 Não que ele estivesse afim de mim, que isso fique bem claro rs, pois todos os meus amigos ali eram gays (e bota gays nisso! Rs). O que aconteceu é que um dos efeitos da bala, aumenta a intensidade do toque com o outro; contudo, como também te dá sensação de desapego – ou seja, não queremos ficar nos pegando com ninguém, e sim nos sentir livres -, um beijo nosso naquela situação, seria algo neutro. Sabe a expressão “café com leite” utilizada em brincadeiras de criança, para dizer que qualquer comportamento errôneo de tal integrante, não teria grandes consequências devido a isso? Por exemplo: “Ahh ele não sai da brincadeira pois é café com leite”. Pois então, beijar amigo gay em balada, sob o efeito de substâncias, é uma atitude “café com leite”, que não dará em nada depois. Lhe respondi que sim e nos beijamos. 💋💋 Era estranho beijar ele, pois parecia que estava beijando meu irmão hahaha, então procurei desfocar da pessoa e focar apenas na sensação do beijo.

Depois disso dançamos um pouco juntos, até que nos afastamos e retornamos para o nosso lugar na rodinha. O T também estava aproveitando bastante, pois beijou seus dois amigos, e dançaram em sanduíche (que no caso deles ainda iria render bastante rsrs). As minhas amigas pareciam felizes, mas eu não achava que estavam curtindo tanto quanto a gente, não tinha como comparar os efeitos de ecstasy x álcool. O D ficava dançando na dele, não chegava em ninguém, ninguém chegava nele, e apenas dançava sem falar quase nada. Tudo estava incrível, a noite estava ótima, as companhias também, não havia motivos para reclamar de nada.

Depois fomos ao bar outra vez, pegar mais bebidinhas e ficamos por ali, na parte externa, dançando. De repente, havíamos feito amizade com mais um carinha gay, acompanhado de sua amiga hétero (depois o R me lembrou que se conheceram através de um cigarro). O R perguntou se eles tinham, e a garota que estava em posse de uma caixa de cigarros, lhe deu um, e nisso ficaram com a gente pelo resto da noite rs.

Após um tempo, que não consigo mensurar quanto, minhas amigas vieram com um papo de que precisavam ir embora, pois tinham combinado de passar em outra festinha depois; e a partir daí ficaram mexendo no celular, falando com alguém dessa tal festa. 😕 Fiquei um pouco chateada no início, pois achei que elas tivessem reservado a noite toda só para nós, e que iríamos todos embora juntos. Daí o R, no intuito de me consolar, disse em off: “Melhor deixar elas irem, elas não estão na mesma vibe que a gente, devem estar se sentindo deslocadas”,  o que não me consolou em nada rs, e procurei pensar que realmente elas tinham outra festa para ir. A cinta da N não poderia ser retirada naquele momento, então pegariam comigo depois. Perguntei a elas repetidas vezes, se tinham mesmo gostado da balada, ao que enfatizavam que sim, muito! Mas que haviam se esquecido dessa outra festinha, e não podiam faltar. Tentei encontrar algum resquício de mentira em seus olhos, mas não consegui encontrar nada (também, do jeito que eu estava não encontraria nem um cisco rsrs), só torci para que fosse verdade.

Surpreendentemente até que me senti um pouco leve, depois que elas foram, pois ao mesmo tempo em que as queria lá, também me sentia como se fosse responsável pela diversão delas. O grupo continuou sendo oito, já que conhecemos aquele outro rapazinho gay, com a rainha dos cigarros. Aliás, deixa eu apresentá-los, ele: M e ela: K. Era a primeira vez que iam para a The Week, e talvez por isso estavam somente em dois (exatamente como foi comigo e o R, quando ele me levou lá pela primeira vez). A K possuía um biotipo totalmente diferente do meu: pele morena, cabelos pretos e lisos na altura dos ombros, os olhos deviam ser castanhos, mais baixa e um pouquinho mais gordinha que a N; era bonita, mas não deslumbrante, uma beleza comum.

Fomos para o fumódromo outra vez. O D sentou do meu lado direito e estava todo carente, pegando na minha mão e alisando, alisei de volta pois parecia que meu amigo estava na bad; O R sentou do meu lado esquerdo, já de enrosco com o M, deixando que esse sentasse no seu colo (depois me contou que quase gozou com a bunda do menino roçando rs); O T estava sentado no banco do lado, com seus amigos; e eu, bem, após um tempo eu fazia a megera, falando mal da K para o D, ao mesmo tempo em que o R me cutucava para eu falar mais baixo, pois se ele estava ouvindo, o M, que era amigo dela, poderia ouvir também.

O fato é que não gostei das coisas vulgares que a K falava a todo momento, era como se ela achasse que falando putaria daquele jeito esculhambado, fosse se enturmar com os gays mais rápido, já que ninguém estava lhe dando exclusividade de atenção.

Encontramos um amigo nosso chamado C que nos conhecia (a mim, ao R e ao D) há anos, pois trabalhamos juntos na mesma empresa, em nosso primeiro emprego. Na época, ele era muito zoado (na verdade, todos nós éramos, nossa aparência evoluiu bastante com o tempo rs), e agora parecia outra pessoa. Para que vocês possam ter uma ideia da dimensão do que estou dizendo, irei descrever o C como ele era antes e como ele está agora. Em meados de 2009, ele parecia uma menina, era magrinho, deixava seu cabelo (liso e loiro natural) na altura dos ombros, usava aparelho fixo e suas unhas da mão eram gigantes. Atualmente, você olha para ele e nem imagina que é gay. Está com o cabelo aparado, padrão cabelo de homem, suas unhas idem, não usa mais aparelho, além de estar todo bombado. Eu já sabia como estava seu novo visual, pois o R me mostrou uma vez no facebook, dizendo com espanto: “Olha como o C está diferente!!”, mas não esperava que ele fosse se lembrar de mim, muito menos que continuasse sendo humilde, mesmo tendo se tornado uma pessoa tão bonita e popular nas baladas.

Daí ficamos conversando, eu, ele e a K (o D estava do meu lado mas não dizia nada). Conversávamos sobre vários assuntos, mas atentava sempre levar para o âmbito sexual, até que conseguiu; e em certa altura, ela disse bem alto e em bom som: “EU JÁ DEI PRA MAIS DE TRÊS! SIM, AO MESMO TEMPO! ADORO UM PAU!!”, e foi aí que comecei a falar mal dela para o D, falei: “Gente alguém segura essa menina, pra que ser vulgar desse jeito?” Só dava ela falando de sexo tão abertamente, no máximo os gays em volta falavam: “Ahh eu também gosto de um pau” e parava por aí. Teve uma hora que não me aguentei e perguntei se ela já tinha feito programa também?! Hahaha. Ela ficou ofendida. Disse que não gostava dessas coisas, falei: “Ué, você gosta de pau e dá pra vários, por que não ganhar dinheiro?!” Hahahahaha. Ela respondeu: “Não. Eu faço de graça mesmo!”, rebati: “Porque é boba, devia aproveitar!” mal sabia ela com quem estava falando! Hahaha. 😈

Tentei agitar de voltarmos para a pista, mas não tive sucesso, então falei para o D que ia pegar outra bebida, e perguntei se queria vir junto – ouvir as baboseiras que aquela menina falava, já estava me enchendo o saco -, ele aceitou, e então fomos juntos. O garçom que nos atendeu estava sem camisa, e fiz uma brincadeira com isso (ele não era tanquinho e dos outros garçons, só ele estava sem). Falei: “Está com calor, hein? Sem camisa!” ele não deu muita bola, e quando voltou para trazer a bebida (mais um “Sex On The Beach”), falei: “As meninas devem cantar muito você, né?”, novamente ele não me respondeu, mas apertou meu braço, que estava apoiado no balcão, e sorriu, como se dissesse: “Vai se divertir menina” kkkkkk. Eu só queria conversar, sabe? O D apesar de ter me acompanhado não falava um A, parecia um vegetal ambulante rs.

Quando voltamos para o fumódromo, uma amiga do C que estava conversando com ele na hora, lhe perguntou se eu não era lésbica. Olhei para os dois, pois falavam como se eu não estivesse ali, daí ele respondeu: “É, ela é hétero sim”, a garota continuou me olhando, como se esperasse eu desmentir alguma coisa, mas fiz cara de paisagem rs.

Depois de um tempo, a K ficou se lamentando, dizendo que estava apertada, contudo, ninguém lhe dava a mínima, nem mesmo seu amigo que estava mais preocupado em ficar rebolando no colo do R. Daí resolvi ser solidária e falei que ia com ela no banheiro, se ela quisesse (na verdade eu estava era cansada de ficar naquele fumódromo), e mamada como ela estava, aceitou feliz. 😌

No caminho, tentei lhe dar alguns toques comportamentais, falei: “Sabe, eu também dava muito vexame nas primeiras vezes que usei bala (não nesse sentido de falar putaria, mas como citei acima, eu chegava em quem eu nem conhecia puxando assunto), mas com o tempo, aprendi a me policiar mais.” E parei por aí. Um bom entendedor saberia o que eu estava dizendo, que era: “Querida você está dando vexame, se controle!”, mas ela não disse nada, talvez tenha entendido, me achado uma intrometida, e não falou nada para evitar confusão (o que eu acho que não foi o caso), ou talvez nem se tocou do que eu estava falando. Quem vai saber?

Enquanto ela usava o banheiro, uns três gays que estavam juntos, esperando na fila de uma outra porta, começaram a me elogiar, dizendo que eu estava muito linda, e que parecia uma paquita da Xuxa com aquela bota rs. Era muito legal quando os gays faziam isso, eles elogiavam qualquer pessoa sem nenhum pudor, mesmo sem conhecê-la, se a achasse realmente bonita, (o R mesmo fazia isso direto com as mulheres na balada), um jeito próprio de se socializarem.

Voltei com a K para o fumódromo, onde ainda estava o restante do pessoal. Daí ela começou a perguntar se alguém tinha visto sua caixa de cigarros, pois havia perdido. Não sei porque, mas não fiquei surpresa com aquilo. Com certeza ele devia ter perdido, enquanto falava para o fumódromo inteiro que fez orgia. 🙄 Foi bastante cansativa na busca pelos cigarros, acho que a ouvi gritar: “ALGUÉM VIU MEU CIGARRO????” umas quatro ou cinco vezes. Não, ninguém tinha visto.

Meme

Tentei agitar outra vez de voltarmos para a pista, a maioria queria, mas o infeliz do R foi irredutível em sair  dali, pois estava gostando do menino sentado no seu colo. Daí fui dar outra volta, dessa vez sozinha, com a desculpa de ir pegar uma maçã. No bar da parte externa (onde tinha o garçom sem camisa), não havia mais bandeja nenhuma, fui tentar no bar dentro da pista principal então. Também nada, mas dessa vez perguntei para uma atendente. Ela devia ter ido com a minha cara, pois pediu que eu aguardasse um momento e voltou com uma maçã avulsa para mim!  ❤️ Agradeci e para prolongar ainda mais a volta, passei pela pista menor, onde coincidentemente encontrei um conhecido!

O B foi meu colega de trabalho, naquele emprego que eu estava e pedi para sair. Fiquei super contente de encontrá-lo ali e fomos conversando até o fumódromo (ele também conhecia o R pelo facebook). Enquanto conversávamos, mordi a maçã e percebi que não estava com tanta vontade assim, daí ofereci para a K. Ela aceitou e falei que podia ficar.

Meme

Nisso o B estava super engajado contando sobre um cara que ele estava gostando, de outro estado, que conheceu numa viagem, e tudo que ele dizia estava embaralhando na minha cabeça, eu não estava boa para conversas de assuntos extensos, preferia falar de algo mais leve, no entanto, fingi entender tudo, mexendo com a cabeça, nas partes que pareciam ser as principais.

De repente, a K começou a me chamar repetidamente, igual uma criança de cinco anos, reclamando que não queria mais a maçã! Meu Deus que menina chata! Senão queria mais que jogasse fora ué! Olhei pra ela bem séria e peguei a maçã sem falar nada.

Depois o B voltou para seus amigos, e reclamei com o pessoal que não aguentava mais ficar ali, falei decidida: “Senão vierem, vou sozinha pra pista” O único que ficou contestando, foi mesmo o R, mas insisti que não ficaria mais ali, só porque ele estava ficando com alguém. Ele então acabou cedendo, e finalmente voltamos para a pista principal!! 😎

Quando a K e seu amigo M foram embora, que aconteceu cerca de uma hora depois, o T nos revelou na maior cara de pau, que tinha pegado o cigarro dela!!!!!! 😳 Eu não sabia se ria ou se o repreendia, era muito feio o que ele fez! Eu não tinha gostado dela, mas não sou a favor de roubo em nenhuma circunstância. No entanto, dei risada das suas justificativas, que eram: “Ahh mó menina chata, não parava de falar abobrinha, peguei mesmo!” Ri apenas por compartilhar do mesmo pensamento que ele, pois até então, achei que só eu tivesse me incomodado com ela. Daí quando o repreendi por isso, lá veio ele com suas justificativas de novo, tentando amenizar: “Não peguei dela, tinha caído no chão e ela não viu“. Uau! Que diferença! 😅

Pelo menos umas cinco vezes, o R ia comprar pirulitos, e em três dessas vezes, me chamou para ir junto. O caixa que nos atendia era sempre o mesmo, e na segunda vez que fomos, assim como fiz com o garçom, puxei assunto com esse também, perguntando seu nome. Ele disse que era Wagner. Então perguntei: “Com V ou com W?” e era com W. Daí ele perguntou o meu também, falei, e ele me devolveu a pergunta: “Com C ou com K?” 😂 Foi engraçado! Hahaha. Na terceira vez que fomos comprar mais pirulitos, falei “Oi Wagner, você ainda está aí?”, e ele até se debruçou mais na mesa. Daí me aquietei um pouco, eu só queria brincar de flertar, mas não mais que isso rs.

Teve uma hora que estávamos dançando na pista, que senti uma mão áspera, pegando na minha mão direita. Eu estava dançando de olhos fechados, e achei que fosse as mãos ásperas do T, que estava dançando de frente para mim, também do lado direito. Demorei uns dois segundos para abrir os olhos e levei um susto, quando percebi que a mão vinha de trás de mim! 😳 Me virei para olhar e era um cara moreno, sem camisa, parecia hétero. Me soltei da sua mão, e me voltei para o T, falando que  pensei que fosse a mão dele, ao mesmo tempo em que dava risada. Ignorei o rapaz, mas ele continuou dançando perto.

Cerca de mais uma hora depois, O T também foi embora, queria ficar para ir conosco, mas disse que suas coisas estavam com seus dois amigos, guardado lá na chapelaria, e que se fossem embora sem ele, ficaria ruim para pegar de volta depois.

E lá estavam os sobreviventes: eu, o R, o D (com aquela cara deprê), e muitas outras pessoas dançando junto. Como não sou de ferro, algumas horinhas depois, já estava cansadinha e me sentei naqueles mini palcos, mexendo só os pés e a cabeça. O R também estava chegando no seu limite, mas não queria sentar junto comigo ali, e ficou tentando nos convencer a irmos para a parte externa, onde havia alguns sofás. Eu não queria sair, pois estava bastante confortável sentada no meio do agito, e para minha satisfação, o D também não. Então como a maioria prevaleceu, continuamos ali, para a infelicidade do R, que após um tempo acabou se ausentando sozinho.

Lembram quando aqueles três gays me elogiaram no banheiro?  Passei por isso de novo (mas não com os mesmos rs). Ainda quando estava sentada no mini palco, vi um menino vindo sorrindo lá da porta na minha direção, acenando para mim. Não entendi nada e continuei com a expressão impassível, pois eu podia estar bem louca, mas sabia que não conhecia ele! Rsrs. Quando chegou mais perto, enquanto abria os braços para me abraçar, começou a dizer: “Que linda vocêeee! Poxa, vim lá da ponta pra te dar um abraço, e você não dá nem um sorriso?!” 😅 Fiquei até sem graça pela sua simpatia, mas como iria sorrir antes, sem saber do que se tratava? Rsrsrs. Correspondi o seu abraço. e depois o vi voltando para seus amiguinhos rs.

O dia começou a amanhecer, e eu que ainda estava fritando, não queria ir embora. Mas não tinha como lutar contra o tempo, pois às 8h00 iriam desligar a música, obrigando a quem ainda estivesse ali, seguir seu rumo. Antes disso acontecer, fomos com o R para o sofá e ficamos lá nos lamentando, pelo pouco tempo que ainda nos restava. O DJ acabou estendendo até 8h30.

O R pediu ao D que já fosse buscar nossas coisas na chapelaria, e quando voltou, já troquei de óculos. Ficamos mais um tempo sentados, até que a fila da saída diminuísse. Depois fomos para o caixa, pagamos e quando fomos sair, adivinham quem estava pegando as comandas, já pagas, de volta na saída? O Wagner!! Hahahaha. Fiquei torcendo para que ele não pedisse o meu número de telefone, pois seria muito chato explicar que eu não poderia passar. Felizmente, ele não fez nada além de sorrir enquanto eu saía. Ufa, essa foi por pouco! 😮Entramos em um dos táxis, que já estavam de prontidão, na porta da balada, e rumamos para a estação Barra Funda.

Ainda não acabou! Após descansarem suas vistas, depois de lerem esse texto enooorme (se é que chegaram até aqui rs), irei postar o pós-balada. 😁

The Week (Antes)

Casa noturna The Week - localizada na Rua Guaicurus, 324 - Lapa, São Paulo - SP

Casa noturna The Week – localizada na Rua Guaicurus, 324 – Lapa, São Paulo – SP

Olá!!

Como acabaram os relatos, e acredito que queiram ler coisas novas, vim contar para vocês do primeiro sábado desse mês de julho, ao qual fui para a balada com alguns amigos gays. A casa noturna escolhida, foi a famosa The Week!  ouviram falar? Fica localizada há poucos minutos da Barra Funda, e é lindaaaa, enorme! Seu público maior são gays, mas o que não quer dizer, que não seja frequentada por héteros também. 😉

Quem nunca foi, pode ter a impressão que é caro para entrar, mas pelo contrário! Se você fizer o check-in no site deles, alguns dias antes, consegue em torno de R$30 ou R$40 com consumação; também tem a opção de falar com algum promoter, para colocar seu nome na lista dos Vips (que é limitada) e entrar na faixa; ou se você faz aniversário naquele mês, também tem direito a entrar vip com um acompanhante. Legal né? Muita gente não sabe desses esquemas, e sempre paga o valor normal lá na hora. O tipo de música que toca é eletrônico, então se você gosta de pagode, sertanejo ou funk, esquece! Pois não tocará nada disso! (Ainda bem! Rs).

Bom, como AMO escrever e sou bastante detalhista com as narrações (já devem ter percebido rs) vou dividir a postagem em três partes, sendo o antes da balada, o durante e o pós! Tudo bem? 😃Já lhes adianto que não haverão narrações sobre sexo, então vou entender quem não se interessar, apenas vim compartilhar mais uma das minhas histórias, para descontrair um pouco e tirar o blog do marasmo, durante essas minhas férias. 😁

Então vamos lá! 😃

Essa era a terceira vez que eu ia para a The Week em um intervalo de 3 anos. Gosto muito de sair, mas como meu namorado é caseiro, me privei de algumas coisas devido a isso. No entanto, chegamos a um acordo, de que não haveria problema eu ir em passeios desse tipo, já que temos uma relação madura, e não estou indo atrás de macho, e sim para dançar e curtir com os meus amigos. 😌

Esse sábado em questão foi ainda mais especial, por vários motivos: 1) Há tempos estávamos combinando de ir em grupo (e foi difícil acharmos um dia em que todos pudessem ir); 2) Era aniversário de um de nós; 3) Duas amigas minhas que nunca tinham ido e que há anos eu não as via, também nos encontrariam lá! Ou seja, a noite prometia! 😎

Já estava tudo combinado uma semana antes! Éramos em oito, contudo não iríamos juntos (não moramos todos perto). Eu fui junto com o meu melhor amigo gay R, e encontramos no metrô um outro amigo nosso, o D. Daí quando chegamos na estação Barra Funda encontramos o T (que era o aniversariante), acompanhado de mais dois amigos.

Depois pegamos dois táxis para a The Week (não cabiam todos no mesmo carro) e quando chegamos lá, minhas duas amigas (que assim como eu, não são lésbicas) já nos aguardavam na entrada. Aliás, as meninas até então, só conheciam o R (virtualmente), pois conversavam bastante pelo face, porém, se conheceriam pessoalmente naquela noite. Mas calma! Eu tô avançando muito rápido! Deixa eu te contar rapidamente como foi aquele meu sábado, antes da real diversão!

Pintando as unhas

Eu havia marcado manicure às 12h e cabeleireiro às 17h (apesar do meu cabelo ser liso, precisava de uma escova para não ficar descabelada até a volta). Só que infelizmente as coisas não acontecem como planejamos, e fugiu do meu controle logo pela manhã:

Acordei com a manicure me ligando por volta das 10h30, me perguntando se eu não poderia ir fazer as unhas naquele momento, pois ela precisaria me adiantar. Respondi que não, que tinha acabado de acordar e ainda teria que tomar café da manhã. Ela então perguntou se eu poderia ir por volta das 11h. Não gostei muito, mas falei que ok. No entanto, alguns minutinhos depois, me dei conta que não daria tempo mesmo assim, pois até eu escovar os dentes, me trocar, ir comprar pão, voltar, tomar o café, e depois ainda andar até lá, já seria mais de 11h com certeza! Então, voltei atrás e falei que não poderia, devido a isso. Ela não se contentou e mais uma vez tentou me pressionar, começando a ficar um pouco chata. Bom, para não me prolongar muito na narração, vou mostrar essa parte da conversa:

Print WhatsApp

Como assim ela já tinha outra às 12h?! E como me apressava com aquela presunção, sendo que EU era a cliente inicial?! Aquilo era um ultraje!! Quando li aquele desaforo, me irritei de vez, estava quase desistindo de fazer as unhas com ela! Após eu mandar isso, ela disse que não fazia seu trabalho correndo, que atendia todos da mesma forma, que já conhecia as minhas unhas e perguntou ao final se eu iria ou não. Daí falei isso: (sim, eu já estava bastante irritada com a situação)

Print whatsaapp

Não sei como tive coragem de falar com ela dessa forma, mas achei mesmo muito abuso, a forma como ela estava conduzindo. Eu tinha agendado dois dias antes, poxa! E ainda vem falar da sua gravidez, querendo me causar algum tipo de comoção com isso? Tenha dó! Por causa dela, eu teria que rebolar, para encontrar outra manicure até a noite, e acreditem, não se consegue vaga no mesmo dia em salões de bairro (principalmente se for um sábado)! Também não queria ter que pegar condução, para ir em um salão de shopping, que além de ser mais caro,  me faria perder mais horas do meu dia com a locomoção de ida e de volta.

Enfim, depois que mandei isso, ela não disse mais nada, e fiquei na dúvida se tinha entendido a minha grosseria, esperava que sim, era essa minha intenção.  Por fim, apaguei seu número e a bloqueei, para nunca mais cair na tentação de tentar agendar de novo – saliento que essa já era a minha segunda experiência ruim com a mesma manicure -. Dá última vez, ela cutucou tanto a minha unha, que até infeccionou, e foi sério, pois tive que procurar um podólogo para me socorrer. Desde então, eu tinha prometido a mim mesma que nunca mais faria minhas unhas com ela, contudo, acabei lhe dando uma nova chance, por ser minha manicure há anos. Mas como viram, não foi uma boa ideia. ☹️

Como suspeitava, não consegui NENHUMA vaguinha em nenhum outro salão para aquele dia, até mandei mensagem para algumas amigas, perguntando sobre alguma manicure de confiança que estivesse disponível, e nada! Uó! Mas ainda assim preferia ir para à balada sem fazer as unhas, do que me rebaixar a fazer com aquela tratante!

Quando encontrei com meu amigo, a noite – o combinado era eu levar minhas coisas para sua casa, e enquanto nos arrumávamos, já faríamos o esquenta por lá – ele me jogou um grande balde de água fria, quando contei do episódio com a manicure.

Mulher que tem amigo gay, sabe como eles são, te falam o que tem que falar na sua cara, sempre com a sinceridade na ponta da língua. Então quando finalizei a narração, ele disse: “E você não fez as unhas você mesma??! Não dá pra sair com unhas de Maria João não! Passa uma cor aí em cima da cutícula mesmo! Como quer sair toda perua sem esmalte na unha?!”. 😂😂😂 E ele tinha razão, unhas sem fazer era mesmo feio para qualquer passeio rs. Só achei que passaria despercebido por ser de noite. Daí levei algumas opções de esmaltes para sua casa, junto com outras coisas, como maquiagem, roupa, calçado, creme, perfume e etc.

Felizmente deu tempo de eu pintar as unhas enquanto nos arrumávamos, mas fiquei super desgostosa quando percebi que tinha esquecido de levar o brinco que usaria com a tal roupa! Imagina que coisa horrorosa eu toda produzida com um brinquinho sem graça de bolinha vermelha, que nem combinava com o resto? 😫 (Era o que eu estava usando naquele momento.) Queria voltar em casa só para buscar o brinco certo, mas não tínhamos tempo, o jeito era fazer dos limões uma limonada.

Mas então, continuando, fomos para o ponto de ônibus por volta das 22h (não temos carro, mas mesmo que tivéssemos, era mais seguro irmos de transporte público, já que voltaríamos bem loucos rs). Daí chegamos na parte que parei logo acima, onde encontramos o D no metrô e o T na Barra Funda. Pegamos o táxi até a The Week (custo em torno de R$15 que dividimos em três), e assim que chegamos em frente à casa noturna, de dentro do carro já avistei minhas amigas na calçada, estavam super chamando atenção, lindérrimas! Uma era magra e alta, pele bronzeada, cabelos loiros platinados compridos, olhos verdes, 20 anos. Usava vestido preto de renda, de um ombro só, essa era a B.

A outra, era a N, também loira platinada (cabelo na altura dos ombros), olhos verdes, mais baixinha, mais branquinha e mais gordinha, 18 anos. Usava um macaquinho preto curtissímo;

E eu, loira natural, olhos castanhos, branquinha, magrinha e alta, 25 anos rs. Usei um vestidinho de manga estampado, e bota de camurça preta (com salto), até acima do joelho.  😏

Retomando…. Eu tinha sido a primeira a entrar no táxi, então consequentemente fui a última a descer, e nisso meu amigo R (aquele que elas já conheciam pelo face), se dirigiu a B, dizendo: “Como você é lindaaa!!”, já se entrosando com as meninas. Pelo jeito nos daríamos todos bem, gays são muito sociáveis e com gente bonita então, mais ainda! 😃

Após todos se apresentarem, fomos entrar. Era em torno de meia noite, e incrivelmente as filas não estavam grandes (ainda). Eu, as meninas, o T e seus dois amigos, nos direcionamos à fila da consumação (não sei como ficou um deles, já que só um tinha direito a entrar como acompanhante do aniversariante); e o R com o D foram para a fila dos vips. Saliento que em todas essas filas, nossos nomes já estavam previamente numa lista específica. Quem não tivesse feito check-in na internet ou passado o nome diretamente para o promoter, como fizemos, pagaria o valor normal lá na hora, que varia de acordo com a festa.

Falei nossos nomes para uma mulher que os conferiu num caderno, depois fomos revistadas por uma segurança mulher, e retiramos a comanda no caixa. Após todos fazerem esses procedimentos, organizamos o que seria guardado na chapelaria. Acabei guardando apenas as blusas de frio minha e do R, e meu óculos escuro, que usaria na hora de ir embora. Fora isso, também estava com uma bolsinha pequena, que carreguei comigo à noite toda, contendo dinheiro e documento (meu e do R), minha comanda, chaves (da casa do R e do D), batom, espelho e celular. – Detalhei todos os itens, pois ao final um deles foi perdido 😂  -.

Alguém tem algum palpite do que perdemos? Rs. Continua na próxima parte! 😁

Viagem com o Perguntador – 3° Dia!

Perguntador

O que era doce estava para se acabar. ☹️ Acordei com ele me encoxando, mas como não estava muito afim de sexo naquela hora, demorei para atender às suas investidas. Ele me chupou um pouco no intuito de me animar, o que acabou funcionando. 😏 Encapou e transamos no papai e mamãe, ejaculou rapidamente, não trocamos de posição. Daí ele foi se banhar, enquanto continuei deitada. Depois me banhei também, enquanto ele lia os jornais, sentado na varanda. Quando terminei de me aprontar, fomos tomar o café da manhã.

Após voltarmos para o quarto, começamos a arrumar nossas coisas, o horário do check-out se aproximava, e apesar dele continuar no Rio, não permaneceria no hotel. Perto de irmos embora, me deu uma vontade louca de transar, já ele estava sossegado, então provavelmente não transaríamos, caso eu não o provocasse hehehe. Então comecei a beijá-lo e perguntei senão teríamos a saideira. Felizmente ele correspondeu, e demos uma rapidinha. 😏 Dessa vez ele me pegou de quatro e frango assado, gozando nessa última. Quando terminamos apenas nos vestimos, não dava tempo de tomar outro banho.

Deixamos o hotel em torno de uma hora antes do meu voo. Era o tempo necessário para chegarmos no aeroporto – ele me deixaria lá, e depois seguiria para seu trabalho lá no Rio -, mas infelizmente pegamos um trânsito próximo de Santos Dumont, o que fez com que eu perdesse meu voo. Por causa de cinco míseros minutinhos, não consegui embarcar! ☹️ – Engraçado que quando era conveniente que o voo atrasasse, isso não acontecia 😤 -. Fomos nos comunicando e alterei minha passagem, conforme ele autorizou. – À essa altura ele já tinha ido, pois aproveitou o mesmo táxi. – Fiz o novo check-in e já fui para a sala de espera. E é isso, esse foi o nosso incrível fim de semana. 😊

Viagem com o Perguntador – 2° Dia!

Perguntador

Acordei com seus beijos nas minhas costas, e me virei para beijá-lo. Depois desci para seu pau e o chupei por um tempo, até que encapamos e começamos comigo por cima. Após um tempo cavalgando, invertemos e ele veio no papai e mamãe, enquanto eu me masturbava bem gostoso. Depois de alguns minutos gozei, e ele também. Ahhh, nada como um sexo matinal. 😎

Fui me banhar, e enquanto isso ele ficou na varanda, sentado na cadeira, lendo vários jornais diferentes. Devo ter demorado mais de meia hora até lavar o cabelo, secar, passar meus cremes e me vestir, e como já havia demorado o bastante, ele nem perdeu tempo tomando banho naquela hora, fomos logo tomar o café da manhã.

No restaurante, algumas coisas estavam disponíveis para pegarmos, e outras tivemos que pedir através do cardápio, para que fizessem na hora. Meu cliente sugeriu de comermos algo muito gostoso que não lembro o nome, feito com ovo, presunto, e torrada, uma delícia! 😋

Depois daquele delicioso café da manhã, voltamos para o quarto. O Perguntador queria assistir à corrida de Fórmula 1, e eu me aproveitei para tirar um cochilo, já que ainda estava com um pouco de sono, por termos acordado cedo. Ao deitarmos na cama, no entanto, sem planejarmos acabamos transando de novo rs, entre um beijinho e outro o fogo se acendeu e quando vimos ele já estava perdendo a abertura da corrida rs. Após gozarmos, aí sim cochilei, deitada em seu peito.

Após um tempo que não sei definir exatamente quanto, acordei com ele me perguntando o que eu achava sobre a noite, umas 20h, irmos assistir o Fábio Porchat na peça “Meu Passado Me Condena 2”! 😱 Eu veria o Fábio bem na minha frente??! Quase não acreditei!! Respondi que seria incrível, e que eu queria sim!! 😍 Daí voltei a cochilar, enquanto ele fazia a compra on-line, pelo notebook.

Depois de algumas horas, ele se banhou e fomos passear pelas redondezas. Ele conhecia um barzinho ali perto, e fomos andando até lá. Enquanto andávamos na calçada da avenida, uma coisa impressionante e totalmente inusitada aconteceu! Uma mulher o gritou do outro lado da rua, ela estava no alto de um outro barzinho com algumas amigas. Puts! Ele disse que era uma grande amiga e que não daria para seguirmos sem cumprimentá-la direito, então fomos juntos até lá. Acabei a conhecendo, ele me apresentou como uma “amiga” rs. – Ainda bem que estávamos em outro estado, se ele encontrou uma pessoa conhecida lá, bem capaz de eu encontrar alguma também, se estivéssemos em São Paulo.- 😳

Eles conversaram por alguns minutos, sobre até quando ele ficaria no Rio e etc, enquanto eu fazia cara de paisagem, com o sorriso congelado no rosto, só conseguia pensar no que a tal amiga deveria estar pensando sobre nós. Por sorte não nos sentamos com ela, seria muito estranho para mim. Ele se despediu e continuamos andando mais um pouco, contudo não ficamos muito longe dali – tanto que quando ela estava indo embora, deu tchauzinho quando nos viu no outro bar -.

Ficamos no barzinho por um tempo, ele bebeu algumas cervejas, e eu caipirinha de limão, que estava uma delícia e conseguiu me deixar “alegrinha” com apenas um copo. De lá rumamos para um restaurante chamado “Aprazível” que era simplesmente MA-RA-VI-LHO-SO! ❤️

Primeiro tentamos achar um táxi, o que deu um pouco de trabalho rs, e para nosso azar – ou não, já que nos divertimos muito com isso -, o taxista não sabia chegar nesse restaurante! O que considerei uma pequena falha dele, afinal estávamos perto, e como o taxista dali não conhecia os points da região?! Rimos a beça no carro, porque ele precisou pedir informação para outros dois taxistas, e ainda pegou uma subida contramão rsrs, tadinho, devia estar pensado: “Maldita hora que peguei esses dois” Rsrs.

Mas vamos lá, o Aprazível! Se eu tivesse que avaliar esse restaurante, com certeza a nota seria 10! Em todos os aspectos! Precisamos pegar um elevador, para descer, mas não pensem que era fechado não! Pelo contrário! Era todo aberto, e assim como o hotel em que estávamos hospedados, totalmente ligado à natureza! Muito fantástico! – Apesar de não ser ideal para dias de chuva -. E os garçons? Nos tratavam como reis! Simpáticos, sempre sorrindo e não era aquela coisa forçada não, eles realmente nos deixaram bastante a vontade enquanto estivemos lá. Conseguiram uma mesa incrível para nós, com assentos de estofados, similar àqueles sofás do Outback, sabe? E demos sorte, pois não eram todas as mesas que tinham aquele assento.

De entrada, meu cliente pediu pão de queijo com linguiça dentro, algo que eu nunca tinha comido (nessa combinação) e que adorei! Como todas as outras coisas que ele me proporcionou descobrir, desde o nosso jantar, no restaurante do hotel. Ele continuou bebendo suas cervejas e eu mais uma caipirinha, só que agora de maracujá, um drink delicioso que até ele acabou tomando comigo, de tão gostoso que estava rs. Infelizmente, perto do prato principal chegar, tivemos que trocar de mesa, pois o sol estava baixando, e ficou bem na nossa cara rs. Providenciaram uma outra para nós, igualmente confortável, no entanto, num lugar mais fresco e comecei a sentir frio a partir daí, então almoçamos e não nos prolongamos mais, o frio acabava com o encanto rs.

Voltamos para o hotel andando, e novamente nos divertimos, pois o meu cliente que já estava um pouco mais “altinho” do que eu, não estava botando fé em mim, quando falei que sabia o caminho de volta rs. Daí ele me pressionou tanto, que em determinado momento até me bateu uma insegurança, e justamente nessa hora, quase pegamos o caminho errado, mas que fique bem claro que eu sabia o certo! Rsrs.

O Perguntador, assim como eu (o que me deixou muito feliz), também costuma dormir um pouco à tarde, então quando voltamos para o quarto, nos deitamos para tirar aquele cochilo gostoso após aquele almoço igualmente maravilhoso. Mas antes, coloquei o despertador em ação, para não perdemos a peça do Fábio mais tarde!

Ele pegou no sono mais rápido do que eu (afinal eu já tinha cochilado um pouco, de manhã), o que me permitiu descobrir que ele roncava! 🙄 Baixo, mas ainda assim aquilo era um ronco, e falaria com ele quando acordasse sobre aquilo! (Ele tinha me garantido que não roncava rs.) Quando o relógio despertou, tive que ser forte para acordar e acordá-lo também. Eu sabia que se eu não quisesse ir, ele não iria (mesmo que já tivesse comprado), mas imagina se eu ia querer perder a oportunidade de ver o Fábio Porchat bem na minha frente?! E ainda mais perder uma peça de teatro, algo que adoro e que fazia tempo que eu não assistia. Acordamos um pouco em cima da hora, então apenas nos trocamos rapidamente enquanto o táxi não chegava.

Acabamos pegando um trânsito no caminho do tal shopping em que ocorreria a peça, mas ainda bem que conseguimos chegar a tempo, pois depois que voltei para casa, vi no ingresso uma mensagem, dizendo: “Não é permitido a entrada após o início”. Olha o perigo! Eu teria ficado bastante frustrada se perdêssemos a peça. 😳 Sentamos na segunda fileira do canto direito, o que nos proporcionou uma visão incrível do palco! E a sala estava surpreendentemente cheia.

Para a minha surpresa, o Fábio e a Miá surgiram detrás da plateia! Fiquei fascinada por vê-los tão de perto! Pena que o Fábio não veio pelo nosso lado, e sim a Miá, mas ainda assim achei o máximo! A minha vontade era de tirar fotos a todo momento, mas me contive, já que mais ninguém o fazia, não queria que me achassem uma afobada que nunca viu um artista de perto na vida rs.

Peça Meu Passado Me Condena 2

Fábio Porchat e Miá Mello, durante a peça “Meu Passado Me Condena 2” no Rio de Janeiro, em Junho 2016

Peça Meu Passado Me Condena 2

Peça “Meu Passado Me Condena 2”

A história é continuação do filme que leva o mesmo nome, agora eles estão casados e a cena apresentada é exatamente a sequência após a festa de casamento, quando chegam na sua nova moradia, com os pertences ainda dentro das caixas.

O cenário é simples, no entanto bastante criativo, essas caixas estavam intituladas com as coisas que haviam dentro, por exemplo: “Som Frágil”, “Fotos da Miá”, “Presentes de Casamento” e etc. As atuações foram impecáveis, e dificilmente a platéia ficava séria por mais de dois minutos. Miá incorporou aquela mulher sonhadora que após se casar espera que tudo seja perfeito, e o Fábio, aquele típico marido que só quer transar após a chatice do casamento, e nada mais. Claro que acontece de tudo, menos o tão esperado sexo rs, brigavam pelos presentes que ganharam, pelas ligações da mãe do Fábio que ocorriam a todo momento, entre outras coisas de casal, e eram essas discussões que nos faziam rir mais e mais rs. Teve uma hora que o Fábio simulou uma partida, e nisso desceu para a plateia, passando bem na minha frente!! Meu Deus que emoção! 😍 E toda a plateia era bastante contida, não haviam seguranças e mesmo assim ninguém ousava interferir na apresentação, por que num show de alguma banda também não poderia ser assim?! Rs.

Ao final da peça, esperei que eles sumissem assim que as cortinas se fechassem, mas não, eles continuaram no palco, agora interagindo com o público, questionando quem ali não era do Rio, e perguntando a cada mão levantada, de onde vieram. Infelizmente nossas mãos passaram despercebidas, e acabaram não perguntando para nós. ☹️ Mas pelo menos consegui tirar mais algumas fotos!

Fábio Porchat e Miá Mello

Fábio Porchat e Miá Mello, após término da peça “Meu Passado Me Condena 2” em Rio de Janeiro / Junho de 2016

Fábio Porchat e Miá Mello

Depois fomos embora, comigo toda sorridente e radiante rs. 😁😊

Voltamos para o hotel, com o mesmo taxista que nos levou. Ao chegarmos no quarto, ficamos um tempo sentados nas cadeiras da varanda, conversando, curtindo o restinho do fim de semana, no dia seguinte eu voltaria para São Paulo. 😔 Depois ele pediu um prato para comermos no quarto mesmo, e após a refeição, fomos dormir. 💤💤💤

Viagem com o Perguntador!

Perguntador

Um fim de semana conto de fadas, é a melhor maneira para definir esses três dias que passamos no Rio. Essa foi a primeira vez que viajei para ficar com um cliente; Uma vez quase aconteceu, com o Francês, mas não fomos adiante, pois na época acabei entrando em período menstrual. Nesse caso, o Perguntador já estava lá a trabalho, e comprou minha passagem para que eu embarcasse no sábado de manhã.

Assim como fiz com o post do pernoite com o Francês, para não ficar um relato ainda mais extenso, postarei em três partes, sendo essa do primeiro dia (sábado), depois de domingo e por ultimo segunda.

Infelizmente o meu voo atrasou, mas nada que pudesse estragar a minha viagem. Quando desembarquei no Rio, a primeira coisa que pensei, foi: “ele me enganou!”, pois havia me dito que o tempo lá estava “gostoso” (o que tomei como “quente”), mas que nada! Estava tão nublado quanto em São Paulo! Rs. Não tão frio obviamente, mas ainda sem o sol que eu estava esperando, e detalhe, só tinha levado vestidos e roupas de calor! 😕

Enquanto esperava minha mala aparecer na esteira, acabei comentando alto: “Que tantas caixas são essas?!”, (pois só aparecia caixas e mais caixas na tal esteira, malas que era bom, nada), e daí um cara do meu lado sorriu para mim, achei que ele estava rindo do que eu comentei por compartilhar do mesmo pensamento, mas daí ele começou a puxar conversa, perguntando se eu estava ali a passeio, e dizendo (sem nem mesmo eu ter perguntado “e você?”) que ele veio para uma conferência e que ficaria por uma semana. A princípio achei que ele fosse gay, pelo seu jeito enfrescalhado de falar, mas depois tive a impressão que estava querendo flertar rs. No exato momento em que ele terminou de falar que ficaria no Rio por uma semana, avistei minha mala e levantei sem dizer nada (estávamos sentados lado a lado, naquelas cadeiras do aeroporto), daí para não parecer mal educada, assim que a peguei e ia me encaminhar para a saída, me virei na sua direção e disse tchau, ele acenou ainda sorrindo.

Conforme as instruções do meu cliente, peguei o táxi e indiquei o caminho do hotel. A corrida foi rápida, ficando menos de R$ 20 – que o taxista teve a cara de pau de arredondar de 17 para 20 🙄 -. Quando cheguei no hotel, que era muito bonito, mandei mensagem para o Perguntador, avisando que tinha chegado, e daí, ele fez uma brincadeira que para ser bem sincera, não gostei nada!

Print whatsapp

😳

Quando li aquilo, por um minuto pensei que fosse verdade. Senti uma coisa estranha por dentro, e comecei a pensar em como faria para antecipar minha passagem de volta; Também o bloquearia, sem sombra de dúvida, para nunca mais falar com ele na minha vida! Nisso o taxista já tinha saído e estava tirando a minha mala do carro. “Não, ele não seria tão maldoso assim, ele gastou dinheiro com a minha passagem, não poderia ser tão filho da puta.”  – pensei durante esse um minuto, enquanto ele não desmentia. Fiquei tão assustada com a possibilidade disso ser verdade, que ainda assim não consegui ficar aliviada por completo, quando ele mandou essa outra:

Print whatsapp

Ao invés de eu entrar no hotel sorrindo, com o funcionário já levando minha mala, minha cara era de tensão, vai que não fosse verdade que ele estava no quarto?! A recepcionista me recebeu a todo sorrisos, falei o nome dele, mas daí ela ignorou e perguntou o meu, “ai meu Deus, será que ela nem sabe de quem eu estou falando?!” Pensei aflita, enquanto lhe passava meu documento. Ela me perguntou aqueles dados rotineiros para o check-in, até que ao final, lhe perguntei: “O Fulano de tal está hospedado aqui?”, daí ela nem precisou responder, pois nesse exato momento ele apareceu do meu lado, rindo a beça da minha pergunta. 🙄

O hotel possuía um estilo rústico, o que adorei, me senti mais próxima da natureza enquanto ficamos hospedados lá. Após me encontrar na recepção, fomos para o quarto, que era super aconchegante, havia até varanda e um gramado mais a frente. Assim que entramos e acomodei minha mala num canto, ele me abraçou e disse que estava feliz por eu estar ali, eu também estava, devo confessar, aquele fim de semana prometia! Animadamente ele falou “Vamos passear?”, mas acho que estava só me testando, duvido que sairíamos daquele quarto sem uma transada de boas vindas rs. Tirei o sapato e a meia fina, enquanto ele fechava a porta da varanda, percebendo minhas reais intenções rs. Começamos a nos beijar loucamente, até que nos encaminhamos para a cama. Rapidamente fiquei sem roupa, ele me deitou na beirada da cama e começou a me chupar, hummm que delícia! Após um tempo me paparicando, encapou e logo colocou pra dentro, me pegando bem gostoso no papai e mamãe. Comecei a me masturbar e após um tempo gozei. Como se estivesse só me esperando, ele também gozou alguns segundos depois de mim. Que delícia de transa! Ficamos um tempo deitados nos recuperando.

Durante esse descanso, ele falou sobre seus planos para aquele dia. Falou sobre me levar no morro do Vidigal, num barzinho chamado “Bar da Laje”, que possui uma vista incrível. Achei a ideia fantástica, pois já tinha ouvido falar que o morro do Vidigal é considerado turístico, devido a visão que temos lá de cima. Ele combinou com um taxista de ir nos buscar, e enquanto o mesmo não chegava transamos outra vez hehehe, da mesma forma que a primeira transa, sem nenhuma variação, ele veio por cima e até que gozou bastante rápido, para uma segunda gozada rs.

O taxista nos deixou até uma parte do caminho, e tivemos ajuda de uma menininha para chegar no tal bar. A garota era mesmo adorável, negra, magrinha, devia ter uns 10 anos, e usava um batom roxo claro nos lábios, que era um charme! Durante esse pequeno trajeto que fizemos a pé, pude conhecer um outro lado do meu cliente, ele era mesmo um homem muito simples, conversava com a menina na maior simpatia, fazendo com que ela também ficasse a vontade conosco. A achei muito esperta, e provavelmente sempre levava as pessoas até o tal barzinho em troca de alguns trocados, pois em determinado momento ela disse que estava juntando dinheiro para comprar salgadinho, uma maneira sutil de pedir dinheiro rs. Meu cliente lhe deu R$ 10 e ainda assim, a danadinha disse que faltava mais 10 para conseguir comprá-lo! Mas que salgadinho caro era aquele?! 😂

O bar da Laje era bem frequentado, tivemos até que fazer um cadastro antes de entrar. Era composto de dois andares: o de cima que era mais movimentado, com música ao vivo (pagode) e mesas a céu aberto; e o andar de baixo – ao qual ficamos – com mais privacidade e menos barulho, ideal para nossas conversas durante os drinks. ☺️

Vista do Bar da Laje

Vista do Bar da Laje

Ficamos no bar até umas 18h, conversando, comendo e bebendo, o tempo passou super rápido, quando vi já estava de noite. O taxista nos buscou no mesmo lugar em que havia nos deixado, e novamente a garotinha nos acompanhou, agora já sem o charmoso batom.

Voltamos para o hotel e novamente transamos. Não vou ficar aqui detalhando a transa em si, pois além de ter muita coisa para contar, não teve nada de diferente em relação as transas anteriores, como já devem ter percebido nos relatos de repetecos com ele, sempre fazemos na mesma posição, o que não quer dizer que seja ruim, ou entediante, muito pelo contrário! Pois é desse jeitinho mesmo que gostamos, e o encaixe é sempre perfeito! 😋

A noite era uma criança e podíamos fazer qualquer coisa, no entanto, eu não estava muito animada para sair, e felizmente ele também não, então resolvemos jantar no restaurante do hotel mesmo, para depois voltarmos para o quarto. O jantar foi lindo, me senti dentro de um filme, o lugar era bastante sofisticado e sua iluminação nada mais que uma penumbra, o que tornava o ambiente ainda mais incrível. Depois de comermos aqueles  “pratos” deliciosos, voltamos para o quarto e ficamos um tempo sentados nas cadeiras da varanda conversando, enquanto digeríamos a comida.

Meu cliente tem o hábito de dormir cedo, já eu não, mas nesse dia, por eu ter acordado consideravelmente cedo para pegar o voo, também estava com bastante sono (talvez por isso que nem me animei em sair a noite), então foi a combinação perfeita, após um tempo de conversas na varanda, escovamos os dentes e fomos para a cama. Adormeci rapidamente. 💤💤💤